Rodas da Paz esteve presente em seminário da OMS sobre segurança viária e advocacy

Rodas da Paz esteve presente em seminário da OMS sobre segurança viária e advocacy

rodas_da_paz_opas1Realizado nos dias 12 e 13 de agosto de 2013, o encontro objetivou desenvolver a compreensão do que é advocacy em segurança no trânsito; compartilhar conhecimentos, experiências e boas práticas. O seminário reuniu cerca de 30 representantes de mais de 20 ONGs brasileiras, incluindo associações de vítimas e organizações  que trabalham em temas específicos, como pedestres, ciclistas e transporte sustentável. Entre as principais atividades realizadas nos dois dias de trabalho destacam-se que, no primeiro dia, após a apresentação dos objetivos e programa do encontro, os participantes se apresentaram – a si e às intuições que representavam.

Este primeiro dia foi essencialmente voltado aspectos conceituais sobre o advocacy, após um início com uma contextualização da inserção da OPAS/OMS na temática da morbimortalidade no trânsito, informes do status global e publicações de apoio. Desta primeira contextualização valem destacar os pontos apresentados pela equipe de segurança viária da OPAS Brasil:

  • O olhar do setor saúde aportados para o tema e os câmbios paradigmáticos na visão de segurança no trânsito nas últimas décadas (Victor Pavarino);
  • A situação mais recente da segurança global no trânsito – estacionária, portanto ainda grave; e a particular situação brasileira com taxas bem mais elevada que a dos países com melhor desempenho (Robert Colombo).

Dentre os aspectos conceituais trazidos por Laura Sminkey (OMS/VIP, Genebra), Gayle Di Pietro (Global Road Safety Partenrship – GRSP) e Cássio Honorato (Ministério Público-PR) forma marcantes a fundamentação em evidências em que o Guia para ONGs “Promovendo a defesa da Segurança Viária e das Vítimas de Lesões Causadas pelo Trânsito (lançado na ocasião do evento por Sminkey)  se fundamenta, as devidas distinções entre ações de advocacy, educação, campanhas, seus métodos, meios, focos e objetivos trazidas por Gayle Di Pietro.

Da apresentação do Dr. Honorato, além das considerações sobre o conceito deadvocacy e sua analogia com o contexto jurídico brasileiro, vale destacar a sua ideia de “catalisador” como termo síntese do papel que reputaria ao Ministério Público em ações voltadas aos esforços em prol da segurança viária.

O Engenheiro Artur Morais trouxe um exemplo de metodologia quali-quantitativa do poder de influência de atores (stakeholders) que pode ser utilizada na análise do terreno para a advocacy, enquanto Diza Gonzaga (ONG Thiago Gonzaga/Vida Urgente), trouxe exemplos concretos da advocacy desempenhada pela Fundação que preside, em particular nos aspectos relacionados à mídia social.

No segundo dia de trabalhos, o Sociólogo Eduardo Biavati trouxe as dimensões dos hábitos de saúde e do contexto sociocultural determinante da mobilidade de o segmento jovem da população.

Veet Vivarta e Sandra Damiani, pela ONG ANDI discorreram sobre aspectos da mídia – influência, e papéis dos meios de comunicação, bem como o trabalho de oficinas com jornalistas desenvolvido no âmbito do projeto RS-10/Vida no Trânsito.

Pela tarde Gayle Di Pietro (GRSP) apresentou uma detalhada instrução de como enviar boas propostas para o programa de bolsas de apoio a trabalhos de ONGs a partir e fundos proporcionados pela Bloomberg Philanthropies.

Ao fim realizaram-se discussões sobre prioridades para o advocacy para se começar a definir um processo de colaboração continuada como uma rede informal nos próximos anos.

Os participantes, defensores apaixonados da causa da segurança no trânsito e dedicados em suas respectivas comunidades, agradeceram a oportunidade de se reunir.

Encaminhou-se ainda que:

  • Gayle Di Pietro proporcionará, pela GRSP, uma oficina de capacitação para ONGs brasileiras na primeira semana de dezembro de 2013, com apoio da OPAS/OMS no Brasil;
  • As ONGs planejarão conjuntamente atividades para o Dia Mundial em Memória das Vítimas do Trânsito;
  • As ONGs continuarão a compartilhar informações de suas respectivas atividades, inclusive através do desenvolvimento de uma página no Facebook (já criada por uma das participantes) e;
  • Laura Sminkey garantirá que as ONGs recebem regularmente as comunicações a partir da OMS-Genebra, incluindo as informações relacionadas relacionados à Década de Ações pela Segurança no Trânsito 2011-220.

Fonte: Organização Pan-Americana da Saúde