Mais um dia para se repensar o uso do carro

Renata Florentino, coordenadora geral da ONG Rodas da Paz
Mestre em Sociologia pela UnB

Brasília experimenta o final de seu período de seca com a incerteza sobre o abastecimento de água para sua população. No mesmo contexto de eventos climáticos, o inventário de gases de efeito estufa divulgado pelo próprio Governo de Brasília aponta que cerca de metade das emissões do DF tem origem nos meios de transporte. Somado a isso, são frequentes as notícias de aumento da frota e a banalização das áreas públicas sendo degradadas pelo uso improvisado como área de estacionamento irregular, dada a demanda insaciável por espaço que o automóvel possui. Assim chegamos ao Dia Mundial Sem Carro de 2016.

Há também notícias positivas no cenário. Desde 2005 o DF segue na tendência nacional de queda da violência no trânsito contra ciclistas. Em Águas Claras, onde se começou a implantar ciclofaixa na Avenida Araucárias, o número de ciclistas cresceu 40% em menos de um ano, conforme contagem de ciclistas feita no local. Isso mostra que a população quer mais alternativas de mobilidade sustentável, tem disposição e vontade, basta contar com um espaço urbano que ofereça segurança. Brasília tem que ter B de Bicicleta.

Temos fôlego e vocação para isso. Brasília é uma cidade plana que tem muito a ganhar se conseguirmos firmar a bicicleta como uma opção de mobilidade, que pode, inclusive, complementar as opções de transporte público entre as cidades do DF. Mas para isso, é preciso oferecer aos homens e às mulheres das nossas cidades a possibilidade de sair de casa de bicicleta e conseguir chegar até uma estação do BRT, ônibus ou metrô.

Mais bicicletas no trânsito ajudam a acalmar nossas ruas, para que sejam amigáveis a idosos, crianças, pessoas com deficiência, a toda a população, e não apenas aos automóveis.
Quanto mais habitada e viva, mais segura a cidade se torna. Podemos atrair mais gente para nossos espaços públicos, aumentando a qualidade de vida, se mudarmos para melhor o desenho urbano de nossas vias internas, com mais calçadas e cruzamentos adequados.

Ao mesmo tempo em que os benefícios de uma cidade viva e sustentável são conhecidos, há a persistência no erro em se anunciar obra faraônicas de incentivo ao uso do automóvel como solução para congestionamentos. Mais espaço para carros atraem mais carros para as ruas, como aconteceu na EPTG após a linha verde, que voltou a engarrafar muito antes do previsto. É preciso aprender com os erros e diversificar as opções de deslocamento para a população. Nesse sentido, é urgente a adaptação do projeto do Trevo de Triagem Norte, para que seja uma obra mais sustentável em termos ambientais e de mobilidade.

O Código de Trânsito já é velho conhecido da população e a Política Nacional de Mobilidade Urbana já está em vigor há quatro anos. Precisam sair do papel. Só assim as pessoas e a vida terão a preferência.

Sabemos que avançar nesse cenário requer que governo e sociedade trabalhem juntos, mas exige também que o governo articule todos os seus órgãos, secretarias e administrações regionais na mesma direção: um futuro melhor para todas as cidades do DF.

2 ideias sobre “Mais um dia para se repensar o uso do carro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *