DER-DF oferece resposta vaga sobre ciclovias em rodovias

DER-DF oferece resposta vaga sobre ciclovias em rodovias

A Rodas da Paz participou, no dia 28 de julho de 2014, de reunião com o Departamento de Estradas e Rodagem do Distrito Federal (DER-DF), convocada pelo órgão, após provocação feita por meio do Oficio_9b_2014_Reunião_DER.

Estiveram presentes na reunião representantes da Rodas da Paz e os senhores Murilo dos Santos Melo, Superintendente de Trânsito do DER-DF, e Samuel Dias Junior, Superintendente Técnico do DER-DF.

A Rodas da Paz procurou o DER-DF devido à situação grave em que quatro fatalidades com ciclistas ocorreram no espaço de um mês nas rodovias distritais e federais, no Distrito Federal. Nesse sentido, foi solicitada audiência para intercambiar informações sobre os projetos previstos, discutir as perspectivas de planejamento cicloviário nas vias de sua competência e de parceria para promover efetiva participação da sociedade.

Foi colocado pelos representantes do DER-DF que a questão do uso de bicicletas como meio de transporte, no contexto de uma política cicloviária, é relativamente nova e se propôs a dialogar com o intuito de que as falhas que existam na execução das políticas voltadas ao ciclista sejam sanadas.

Foi informado pelo DER que o projeto de ciclovia para a EPTG, em seu estágio atual, encontra-se em seus departamentos técnicos, para correções, após ter sido enviado à Secretaria de Obras do GDF e esta ter devolvido o projeto ao órgão de origem, alegando insuficiência técnica para licitação da obra. A informação do DER-DF é de que o projeto que está sendo feito considera o traçado de uma ciclovia sobre o canteiro central da rodovia e que não haveria espaço para execução da obra nas laterais.

Em relação às campanhas educativas, outro pilar para que a segurança do ciclista seja minimamente garantida, o DER-DF informou que atua voltado a outros veículos como automóveis, caminhões e ônibus. Campanhas educativas orientadas a ciclistas e pedestres são de responsabilidade do DETRAN-DF.

A Rodas da Paz lembrou as recentes mortes nas rodovias e condenou a crescente tendência de veiculação que vem sendo dada no sentido de culpabilizar as vítimas por estarem circulando em locais onde não há ciclovias ou, onde existem, por não estarem nela.

Colocou também que, neste Governo, tem mantido diálogo com o poder público na tentativa de implantar estruturas cicloviárias, para além de meras ciclovias, ressalta-se, em locais realmente necessários, e apontando as falhas nas decisões que vêm sendo tomadas, porém sem ter suas reivindicações atendidas.

Especificamente sobre a ciclovia da EPTG, expôs motivos para que o traçado proposto pelo canteiro central seja revisto por diversas questões, entre elas, a concentração de poluentes atmosféricos e sonoros naquele local. O DER-DF solicitou que as ponderações da Rodas da Paz fossem enviadas para serem incorporadas ao projeto atualmente em revisão. O projeto em análise será solicitado ao DER-DF.

Sobre as demais rodovias distritais não foi informado maiores detalhes de projetos cicloviários para elas.

A Rodas da Paz externou ao DER-DF seu desejo de que, diferentemente do que existe hoje, sejam empenhadas as melhores soluções de engenharia e de construção para as obras direcionadas aos ciclistas, tal qual as aplicadas nas imensas obras de expansão das rodovias destinadas a incrementar o fluxo de veículos automotores, o que evidenciaria a disposição do Governo em, realmente, considerar os benefícios que a bicicleta pode trazer ao trânsito cada dia mais caótico do Distrito Federal.

O GDF, quando executa obras destinadas a ciclistas, o faz de forma sofrível, sem considerar a utilidade efetiva do que está sendo construído, consumindo, sobretudo, recursos públicos. Trechos que se deterioram sozinhos em menos de um ano (às vezes imediatamente após a construção), trajeto ineficiente, pontos de conflito mal resolvidos, sinalização precária ou inexistente e contratação de empresas responsáveis pela construção de capacidade duvidosa são exemplos que não devem se repetir nas próximas obras destinadas aos ciclistas.

Por fim, a Rodas da Paz reiterou que sejam intensificadas campanhas educativas para os motoristas, na esperança de tentar mitigar a direção criminosa e intolerante que vem, perigosamente, se alastrando no Distrito Federal.

1 comment

A proposta que defendemos em relação a ampliação das ciclovias no DF é justamente no sentido de que as ciclovias sejam construídas ao longo das grandes vias de circulação e estradas distritais e com separação entre a via utilizada pelos veículos motorizados e a ciclovia. Só assim será possível aos ciclista percorrer distâncias mais longas com segurança. A proposta que defendo é que seja aprovada uma lei distrital estabelecendo que qualquer intervenção nas principais vias e estradas do DF, sejam reparos ou ampliação, se inclua necessariamente a construção de uma ciclovia.
Sigmaringa – candidato a distrital 50.021 – PSOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.