Ciclistas demandam ações educativas, de pesquisa e de infraestrutura ao DER/DF

Agentes do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal – DER/DF se reuniram com grupos de ciclistas para debater as ações de campanha educativa incentivada pelo movimento Maio Amarelo. O objetivo do movimento é discutir a segurança viária com o Poder Público e a sociedade civil. Os ciclistas sugeriram diversas ações para evitar a violência no trânsito e promover a convivência pacífica entre os diferentes meios de transporte. Os agentes se comprometeram a encaminhar as demandas para o Diretor Geral do DER/DF, Henrique Luduvice, e retornar com respostas.
2015-04-24 15.13.24
Dentre as demandas, está a criação de grupos de trabalho que reúnam os diversos órgãos públicos relacionados com a mobilidade urbana, a sociedade civil e a universidade. Estes grupos devem ser paritários com igual peso de voto entre os três segmentos. Inicialmente, foram sugeridos os GTs de Educação – para trabalhar com as escolas e principalmente os instrutores do DETRAN – e o de Estudos de Infraestrutura para analisar, dentre outros, a redução da velocidade das rodovias e vias urbanas.
Os ciclistas requisitaram a construção de ciclovia para a Estrada Parque Taguatinga – EPTG e questionaram se existem projetos de ciclovias para a Estrada Parque Indústria e Abastecimento – EPIA ou outros projetos inseridos na implementação do BRT. Com o objetivo de produzir dados para embasar políticas públicas para a bicicleta, os grupos sugeriram o uso de um software gratuito de contagem de ciclistas para análise das imagens do sistema de câmeras de vigilância do DER, já instaladas nas rodovias. As câmeras poderiam ser usadas também para verificar situações de comportamento perigoso no trânsito, resultando no envio de cartas de advertências para esses motoristas.
Os coletivos presentes enfatizaram a importância de campanha educativa abordando como deve ser a ultrapassagem das bicicletas pelos carros: os motoristas devem reduzir a velocidade e manter a distância de 1,5m. Além disso, sugeriram o uso de suportes de comunicação que permitissem uma campanha educativa permanente na EPTG. A Rodas da Paz propôs ao DER/DF parceria para a produção de material sobre mobilidade urbana voltado para os professores utilizarem em sala de aula.
Os ciclistas lembraram ao DER/DF da obrigatoriedade de criação de bicicletários para os órgãos públicos e aconselharam o Departamento a assumir esta tarefa em seus prédios. O uso de bicicletas pelos agentes que atuam no Eixão do Lazer também seria uma iniciativa exemplar do órgão, bem como a orientação dos motoristas dos caminhões que circulam nesta via ao final de eventos, visando a moderação da velocidade.
Por fim, os grupos convidaram o DER/DF e se envolver e apoiar a campanha “De Bike ao Trabalho“, que ocorre no dia 8 de maio. Os agentes devem verificar a possibilidade de garantir a segurança dos trabalhadores que optarem pelo uso da bicicleta neste dia para se deslocarem pela EPTG até o local de trabalho.

3 ideias sobre “Ciclistas demandam ações educativas, de pesquisa e de infraestrutura ao DER/DF

  1. maycom Wesley

    Por que so o acostamento do lago sul virou ciclovia deviamos correr atrás para que a outras vias do df ficassem os acostamento inclusive para todos os ciclistas do df pesso a vc rever com mais atenção nossos direitos por que so no lago sul pode e nas outras vias do df não pode o acostamento virar ciclovia

    Responder
    1. Rodas da Paz

      A opção pela melhor estrutura cicloviária depende de um conjunto de fatores técnicos (como por exemplo, a velocidade e o fluxo de veículos na via). O acostamento ciclável, então, não serve para vias de alta velocidade. Afinal, o compartilhaemnto da via somente é recomendável quando sua velocidade é abaixo de 50km/h (acima disso, a segregação é necessária). Este gráfico da ONG Transporte Ativo contribui para a compreensão desta questão:
      Escolha de estrutura cicloviária
      Para saber mais, acesse: http://goo.gl/rpwBKb.nn1

      Responder
  2. Pingback: O que saiu na imprensa na campanha de 2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *