Arquivo da categoria: Blog

Semana da mobilidade 18 a 25 de setembro de 2017. Não fique de fora dessa Semana! Envolva-se e ajude a transformar nossa cidade!

Chegou a semana da mobilidade de 2017! Confira aqui as atividades que estão programadas.
Dia 19, às 14h30. Audiência Pública na Câmara dos Deputados – “Transporte como Direito Social” e lançamento do projeto “MobCidades – Mobilidade, Orçamento e Direitos”. Evento no Facebook:  https://www.facebook.com/events/1453168021436969/?ti=icl  

Dia 19, às 19h. Seminário no Teatro Dulcina do Conic – “Diálogos Inspiradores sobre Direito à Cidade: Transporte como direito social”. Evento no Facebook: https://goo.gl/z9fzPe;

Dia 21, às 9h. Audiência Pública na Câmara Legislativa do Distrito Federal – “Mobilidade e Paz no Trânsito”.
Dia 21, às 19h. Exibição do Documentário “Bicicleta Brasil – Pedalar é um Direito” no Espaço Itaú de Cinema (CasaPark Shopping). Exibição do documentário sobre a campanha Bicicleta Brasil, quando cicloativistas pedalaram 1572 km entre Paraty e Brasília, em janeiro de 1998, em apoio ao novo código de trânsito brasileiro. Evento no Facebook: www.facebook.com/events/1716440075318341/ 

Dia 22. Metrô gratuito para aqueles que forem às estações de bike;
Dia 22 – Dia Mundial Sem Carro – Vá de Bike ao Trabalho!

Dia 22, 8h às 18h30. Vaga Viva no SCS, durante todo o dia 22. Responsável: Secretaria de Mobilidade do DF. Uma programação interativa para você! Vá lá conferir!

Dia 22, 18h30. Bicicletada. Saída da Vaga Viva no dia 22, stand da Embaixada da Holanda, concentração às 18:30h.

Dia 22. Lançamento online do vídeo realizado pela Associação Andar a Pé sobre as passagens subterrâneas do Plano Piloto. Participe da Vaga Viva e acesse a página https://www.facebook.com/andarapebsb/. Ajude a viralizar!

Dia 25, às 7h. Desafio Intermodal no dia 25, saindo às 7h da QE 7 do Guará. Organização: Rodas da Paz. O Desafio Intermodal avalia quais os meios de locomoção mais eficientes no meio urbano num dia comum. A proposta não é apenas medir a velocidade e quem chega primeiro, é avaliar o custo ambiental, econômico e social de cada meio de transporte. Em 20156 teve moto, carro, táxi, uber, carona, ônibus, bicleta fixa, metrô, pedestre e corrida. Evento no Facebook: https://goo.gl/FPVnwh 

Não fique de fora dessa Semana! Envolva-se e ajude a transformar nossa cidade!

Confira as apresentações feitas pela Rodas da Paz no Bicicultura 2017

Plenária final do Bicicultura 2017

A rodas da paz fez diversas apresentações no Bicicultura 2017, que aconteceu em Recife. De experiências envolvendo educação, advocacy, pesquisa e pedaladas, a troca e interação com outras iniciativas durante o evento foi muito rica.

A ex coordenadora Geral e atual diretora Administrativa, Renata Florentino, teve selecionada uma oficina sobre incidência em políticas públicas, chamada “No ouvido do prefeito”, onde mostrava casos bem e mal sucedidos de interlocução com o poder público no DF e a ferramenta de mapa de atores para priorizar ações e atores no processo de articulação.

Jonas Bertucci apresenta a Cartilha de Exercícios

O ex-presidente da ONG Rodas da Paz, e atual conselheiro Jonas Bertucci, participou do Bicicultura 2017 no Recife -PE, entre 7 e 10 de setembro. Jonas, contou da experiência da cartilha de exercícios multidisciplinares sobre mobilidade urbana que a Rodas da Paz lançou para ser trabalhada nas escolas de Ensino Médio. “ Em consonância com avaliações federais de desempenho, a cartilha elaborada pela Rodas da Paz oferece atividades para problematizar o cotidiano da turma, que estimulam a aplicação do conteúdo curricular. O Bicicultura foi um momento importante para difundir esse trabalho e discutir ações semelhantes no campo da educação que estão sendo realizadas em todo o país”, disse Jonas.

Raul Aragão apresenta as contagens de ciclistas

Raul Aragão, voluntário da Rodas da Paz, participou do encontro falando das contagens de ciclistas feitas no Distrito Federal, em parceria com o ITDP. “O Bicicultura é sempre um grande evento. Esse ano apresentei o projeto de contagens de ciclistas da Rodas da Paz, que está acontecendo em nove lugares do DF’, disse.

Raul aragão no pódio em 1º lugar no fixocult

O voluntário ressaltou ainda à experiência que foi participar das provas no evento. “No último dia pude participar de uma prévia das fixolimpiadas que vão ocorrer em novembro no Recife, onde competi com outros “fixeiros” em provas de skid, trackstand, Sprint, anticorrida e peanut. Ganhei alguns prêmios”, contou Raul.

Gustavo Rodrigues apresentou o projeto Bicicleta Livre da UnB

A participação da ONG não parou por aí, quem também participou do evento foi o voluntário Gustavo Rodrigues, que falou sobre o ‘Bicicleta Livre’ da UnB, um projeto de extensão que incentiva os alunos a usar a bicicleta como meio de transporte.
O Bicicultura, maior encontro nacional de mobilidade por bicicleta e cicloativismo, organizado pela sociedade civil, busca ser o expoente máximo da bicicleta em todas as suas vertentes: cultural, social, política, artística, econômica e ambiental.

O Bicicultura 2017 precisa de você!

Você conhece o “Bicicultura”?

É maior encontro nacional de mobilidade por bicicleta e cicloativismo! Ele acontece entre 7 a 10 de setembro na cidade do Recife.

A sua contribuição fará toda a diferença! Com apenas R$ 10,00 já é possível participar do financiamento coletivo. Ajude a arrecadar o restante da verba para realizar este evento da maneira como foi programado, contemplando os projetos selecionados e todas as atividades culturais e esportivas. Conheça as formas de ajudar aqui: https://benfeitoria.com/bicicultura

Participe!
Saiba mais: https://bicicultura.org.br/
#Bicicultura

Atividades marcam o Dia Nacional do Ciclista em Brasília (19/8)

Dia 19 de agosto é celebrado em todo o país o Dia Nacional do Ciclista, data em que se homenageia o biólogo brasiliense Pedro Davison, atropelado por um motorista embriagado e em alta velocidade no Eixão Sul. A data é celebrada desde 2007, como símbolo da justiça contra os crimes no trânsito e em defesa do uso da bicicleta. A data deve se tornar oficial ainda em 2017.

O Projeto de Lei que institui o Dia Nacional do Ciclista já foi aprovado na Comissão de Constituição de Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados e seguiu para o Senado, onde será relatado pelo senador Cristovam Buarque (PDT-DF).

Nos dez anos passados, desde a instituição popular da data, o país ampliou seu número de ciclovias, contando com cerca de três mil quilômetros em 2016. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), cerca de 6% da população do país faz seus deslocamentos diários de bicicleta. O Distrito Federal conta hoje com cerca de 420 quilômetros de ciclovia e tem cerca de 2% de seus deslocamentos feitos de bicicleta.

Entre as atividades que ocorrerão em Brasília na data estão um passeio ciclístico, cinema ao ar livre e a oficina de reparo para bicicletas.

Passeio ciclístico acontece nesse sábado (19/8) para celebrar o Dia Nacional do Ciclista e o Dia Nacional de Luta da População de Rua. A concentração será às 8h no Taguaparque. A iniciativa é do “Projeto Pedal Cidadão”, que é desenvolvido no Centro Pop de Taguatinga. O projeto tem como objetivo a capacitação de moradores de rua para trabalharem como mecânicos de bicicleta.

O Pedal Cidadão arrecada bicicletas novas, seminovas ou usadas e peças para seu conserto. As bicicletas são doadas às pessoas em situação de rua. Os interessados em conhecer e contribuir para o projeto podem fazer suas doações na própria unidade, na QNF 24, Área Especial, perto ao Senai ou ligar para os seguintes contatos: 3352 5098 e 3563 1046.

Rodas da Paz e Rede Globo repetem parceria na edição do DFTV Cidadão na Cidade Estrutural. Nos dias 18 e 19 de agosto, das 9h às 16h, as pessoas poderão levar suas bicicletas para fazer pequenos reparos na oficina mecânica itinerante. A Cidade Estrutural é a região Administrativa onde a população mais usa a bicicleta para ir ao trabalho, com 6% dos deslocamentos.

Já o Detran faz mais uma edição do especial Cine Pedal, no dia 18/8 em Samambaia, 19/8 na Cidade Estrutural (em frente ao restaurante Comunitário) e dia 20/8 no Recanto das Emas.

Confira as dez fotos mais curtidas do 15º Passeio Ciclístico com a hashtag #rodasdapaz

Veja aqui quem são os dez ganhadores do kit ciclista na loja Giro 66
A retirada dos kits deve ser feita na loja:

QND 30 Lote 42 Loja 01
Taguatinga Norte – CEP: 72120-300
Brasília – DF

1º Lugar 138 curtidas

https://www.instagram.com/p/BXOr141Dt9E/?tagged=rodasdapaz

2º Lugar 95 curtidas

3º Lugar 91 curtidas

4º Lugar 67 curtidas

Passeio ciclístico. #rodasdapaz

A post shared by Rodrigo Alexandre (@rodrigo.alexandre) on

5º Lugar 60 curtidas

https://www.instagram.com/p/BXLFcSElCvO/?tagged=rodasdapaz

6º Lugar 56 curtidas

7º Lugar 53 curtidas

8º Lugar 51 curtidas

#rodasdapaz

A post shared by Claudio Pinheiro Ferreira (@claudioyeshua) on

9º Lugar 50 curtidas

https://www.instagram.com/p/BXLEysIlT52/?tagged=rodasdapaz

10º Lugar 50 curtidas

#RodasdaPaz

A post shared by Matheus Duraes (@matheus_duraes1) on

GDF apresenta seu plano de ciclomobilidade e inaugura estação de bicicletas na UnB

O GDF lançou hoje (9/8) na Universidade de Brasília o seu plano de ciclomobilidade, parte integrante do programa de mobilidade urbana ”Circula Brasília” lançado em 2015.

De acordo com o governador Rodrigo Rollemberg, o programa tem “compromisso com a qualidade de vida da população de Brasília” e é um “programa de Estado, que prioriza o transporte coletivo e o não motorizado de forma integrada”. Dentro do pilar da mobilidade ativa, o principal ponto é superar a descontinuidade da malha cicloviária, composta atualmente por 420 km de extensão. Hoje são 70 km em obras e, até dezembro de 2018, mais 148 km devem estar licitados. A meta é o DF contar com 1200 km de ciclovia até 2023.

No lançamento, foi inaugurada uma das cinco novas estações de bicicletas da UnB.

Outro ponto do plano é proporcionar a integração com outros meios de transporte, especialmente os ônibus. De acordo com GDF, até fevereiro de 2018 dez terminais de ônibus estarão equipados com bicicletários e pontos de reparos. A manutenção dessas estruturas será de responsabilidade das empresas de ônibus.

Visando a integração com o metrô, o GDF irá ampliar as estações de bicicletas compartilhadas atendendo agora as cidades de Ceilândia, Taguatinga e Samambaia. O plano de ciclomobilidade é audacioso. Segundo o próprio Governador, Rodrigo Rollemberg, a intenção é mudar o cenário da mobilidade ativa e do respeito ao ciclista no DF. Veja o vídeo abaixo gravado no dia do evento pela Rodas da Paz: Quem se locomove de bike em Brasília verá o plano como a solução para grande parte das suas aflições. Porém, com apenas mais um ano de governo, será que ele sairá do papel?

Nos primeiros três anos muitos esforços na área de mobilidade por bicicleta foram feitos, como o mapeamento colaborativo das ciclovias existentes, o projeto Mobilidade Ativa, a licitação da ciclovia da EPTG e ótimas campanhas educativas. Mas tudo isso parece pequeno diante do aumento da tarifa de ônibus, que custa atualmente R$5,00 entre as cidades.

O exorbitante Trevo de Triagem Norte e os viadutos da EPIG ajudam a mostrar que a prioridade continua sendo o uso do automóvel. Por mais que os discursos defendam a mobilidade sustentável, o orçamento segue priorizando o insustentável.

Para que este plano de ciclomobilidade seja de fato implementado, cabe a nós cidadãos acompanharmos as decisões e cobrar o governo que as promessas apresentadas hoje sejam de fato cumpridas.

Quer saber mais sobre o plano?

Orientações aos participantes

E aí, bike pronta pra domingo? 
Aqui vão algumas dicas e lembretes pro nosso passeio ser muito bacana!

Camisetas
As camisetas deste ano ficaram lindas e podem ser adquiridas por apenas R$15. Quem não conseguiu comprar pela internet poderá comprar conosco em três oportunidades, sexta no Plano Piloto (Asa Sul), e sábado e domingo na Ceilândia.

SEXTA 28/7:
16h-20h na EQS 102/103 – sede da Rodas da Paz (edifício bandeirantes)
SÁBADO 29/7:
9h-16h na Estação de Metrô Ceilândia Centro
DOMINGO 30/7
8h-11h na Estação de Metrô Ceilândia Centro
Obs.: O passeio continua gratuito e aberto a todos! A compra da camiseta não é obrigatória, mas apenas um apoio para o desenvolvimento das atividades da ONG em nossa luta comum pela paz no trânsito.

No dia do Passeio
A concentração começa às 8h. O passeio sairá às 9h da estação de metrô Ceilândia Centro. Leve sua própria garrafinha d’água, haverá um carro da CAESB com caixa água para você se abastecer na concentração do Passeio!
Teremos ciclistas batedores, identificados com camiseta laranja, e apoio do DETRAN para garantir a segurança de todos, fique atento às orientações dadas pelos batedores e no carro de som!

Tente deixar o carro em casa e ir de metrô ou de bicicleta!
O metrô abre às 7h no domingo. E conseguimos que o metrô autorizasse excepcionalmente o transporte ilimitado de bicicletas dois últimos carros do trem.
Se for de metrô, aproveite que no domingo será possível comprar de dois cartões unitários para os usuários que estejam portando bicicletas.
É mais um atrativo para deixar o carro em casa! =)
Se for de carro, cuide da cidade, não estacione em cima da calçada ou grama e nem impeça o acesso a rampas de deficientes!

Parceiros
Este passeio só foi possível com o patrocínio do Grupo Ágil e SECOVI-DF, com o apoio do Laboratório Sabin, Rádio Transamérica, Rádio Cultura FM, Programa Trilha Certa, Administração Regional de Ceilândia, Escola VitaBhaya Yôga, Loja Giro 66, Loja Taguaciclo, Associação Médica de Brasília, nossos voluntários, os grupos de pedal e com sua participação, claro!
Use as hashtags #rodasdapaz e #vempracei nas mídias sociais!
Nossa página no facebook é https://www.facebook.com/rodasdapaz
e nosso instagram é o http://instagram.com/rodasdapaz

Trajeto
Vamos passar pela primeira vez pela Avenida Hélio Prates, que foi uma das primeiras vias a ter ciclovia no DF, já nos anos 70. Confira:

CicloAbraço,
Rodas da Paz

A camiseta do Passeio está linda e você pode ter uma!

imagem ilustrativa

No Passeio da Rodas além das camisetas gratuitas, distribuídas para as 100 primeiras pessoas inscritas, quem quiser pode adquirir a sua camiseta do Passeio por um valor simbólico de 15 reais (abaixo do custo de produção).

Chegamos nesta ideia de vender a camiseta e no preço sugerido a partir de uma pesquisa realizada com quem pedalou em 2015 com a gente. Em 2016 foram mil camisetas produzidas que esgotaram rapidinho, então corre pra garantir a sua esse ano!

O valor arrecadado ajuda a cobrir parte dos custos do passeio, que é quase todo feito de forma voluntária. Mais de 50 camisetas foram vendidas apenas no primeiro dia de inscrição. Esta colaboração vai nos ajudar e muito a fazer o Passeio com cada vez mais qualidade.

Começamos a divulgar o Passeio 2017 na semana passada e quem quiser ter a camiseta agora já pode reservar a sua no link abaixo.


Atenção: as camisetas não serão enviadas pelo correio. Elas serão entregues 2 dias antes do passeio, sexta feira no Plano Piloto na sede da Rodas da Paz e sábado na Ceilândia na estação de metrô Ceilândia Centro.

Entrega das camisetas
SEXTA 28/7:
16h-20h na EQS 102/103 – sede da Rodas da Paz
SÁBADO 29/7:
9h-16h na Estação de Metrô Ceilândia Centro

Pela nossa experiência, acreditamos que as camisetas podem esgotar antes do passeio, mas se sobrar algumas, a gente avisa e vende ao vivo no domingo, tá?

Posso ir ao Passeio da Rodas sem camiseta?

SIM, o passeio continuará sempre gratuito e aberto a todos! O que esperamos é que, com ou sem camiseta (você pode optar por não comprar), você participe e continue vestindo a camiseta “simbólica” da Rodas da Paz, participando das atividades que realizamos o ano todo. Só assim a ONG pedala pra frente e a nossa luta comum pela paz no trânsito pode avançar.
Vejas as atividades que a Rodas da Paz fez ao longo de 2016.

Receba no email as notícias da Rodas da Paz

Inscreva-se e receba notícias da Rodas da Paz:

*obrigatório





Rodas da Paz faz assembleia e muda Coordenação Executiva

No dia 10 de junho de 2017 a Rodas da Paz realizou sua Assembleia Geral Ordinária tendo como pauta a (i) apresentação das atividades desenvolvidas nos dois anos da atual gestão (ii) apresentação resumida do balanço financeiro do período (iii) oficialização dos novos associados e (iv) eleição da(s) chapa(s) candidatas para a coordenação

O encontro ocorreu no espaço Co-Piloto na Asa Sul e contou com a presença de associados e ainda de Leandro Rocha, da Embaixada da Suécia, e de Bruno Botafogo, do movimento Brasília Ocupada, que fizeram propostas de parcerias para atividades em outubro e agosto de 2017, respectivamente.

O balanço das ações do período 2015-2017 foi feito por Renata Florentino e pode ser conferido na íntegra aqui. Entre os destaques estão o aumento no número de pessoas alcançadas pela ONG nas suas diversas atividades, como o Passeio, Doe bicicleta, Campanha de Associados e Formação de Voluntários, o lançamento de novos materiais e estratégias de comunicação e de incidência nas políticas públicas. Mas também foi pontuada a necessidade de aumentar a capacidade de mobilização interna da ONG entre seus voluntários para dar continuidade e sustentabilidade às suas ações e de repensar sua identidade visual. O balanço financeiro foi apresentado por Bruno Leite e pode ser visto aqui.

Após as apresentações, se realizou a renovação das pessoas a frente da ONG. São quatro postos na Coordenação Executiva previstos em Estatuto, mais o Conselho fiscal. Além destes postos, a ONG também se organiza em Grupos de Trabalho e Projetos, que podem ter pessoas diferentes a frente de cada um, que não precisam fazer parte da Coordenação Executiva para assumir a frente dessas atividades.

A nova coordenação executiva é composta por Bruno Leite como coordenador geral, Marcelo Sabóia como diretor de comunicação, Renata Florentino como diretora administrativa e Régis Oliveira como diretor financeiro. No conselho fiscal estão Luciana van Tol, Beth Davison e Rafael Stucchi.

Boa gestão para a nova coordenação e gratidão para a coordenação anterior!

Coletas do Doe Bicicleta

O projeto Doe Bicicleta fechou o primeiro semestre de 2016 tendo doado mais de 270 bicicletas para diversos projetos sociais. O patrocínio recebido pela Embaixada da Austrália foi fundamental para viabilizar doações para creches na Estrutural, para refugiados em parceria com a ACNUR e para comunidades quilombolas em Cavalcante (GO), entre várias outras que nos emocionaram e encheram de alegria.

Com esse ciclo do projeto encerrado vamos dar uma pausa nas coletas de bicicleta até captarmos novos recursos para as peças e mão de obra envolvidos nos consertos. Mas se você tem bicicleta para doar, ainda pode deixar no ponto de coleta mais próximo.

Caso você tenha mais de 5 bicicletas para doar, nos avise ([email protected]) que tentamos buscar mesmo nesse período de intervalo!

Para participar da campanha, veja as formas de ajudar:


COMO COLABORAR?


1- Doando recursos para a compra de peças e o conserto das bicicletas em 2017 (as doações financeiras são feitas por meio do sistema PagSeguro);

2- Doando bicicletas, tanto novas como usadas: deixe a bicicleta no grupo Escoteiro Moraes Antas no final da Asa Norte aos sábados a tarde (localização no mapa) ou na loja Taguaciclo em Taguatinga Sul (QSA 9 LOTE 1 LOJA, 1).

3- Conversando com o síndico do seu condomínio para que mobilize os moradores para doar as bicicletas abandonadas nos bicicletários, garagens e PCs de seu prédio (baixe aqui o cartaz da campanha e a carta ao síndico).


Desde 2015, a Rodas da Paz fechou parceria com o Grupo de Escoteiros Moraes Antas – GEMA, oferecendo um ponto de apoio para armazenar as bicicletas e receber doações espontâneas durante os sábados, entre 14h e 18h.  Para os interessados, o endereço do GEMA é SGAN 916 – Quartel do Corpo de Bombeiros (localização no mapa). A colaboração do grupo também está prevista para o conserto das bicicletas doadas com a realização de oficina básica de mecânica com os jovens escoteiros. É uma oportunidade para os escoteiros conquistarem especialidades, demonstrando habilidade com as bicicletas, e para a Campanha “Doe Bicicleta” ampliar seu alcance.

Em 2016, firmamos parceria foi com a loja Taguaciclo, que realiza eventos de incentivo ao uso da bicicleta regularmente em Taguatinga Sul.

PARCEIROS

 

Moraes Antas

 

bandeirantes

 taguaciclo  

transamerica 

 

 

Chamada de voluntários 2017 – inscrições prorrogadas!

Estão abertas as inscrições para 5ª Formação de Voluntários da Rodas da Paz! 

As inscrições foram prorrogadas até 20/6 e a formação acontece no final de semana de 24 e 25 de junho.

São vagas limitadas, iremos divulgar o resultado da seleção dia 21/6.

Renovar é essencial para continuar nossa mobilização por um DF mais ciclável. Agora é a sua chance de se juntar a nossa equipe! Inscrições até 16/6, basta preencher o formulário abaixo!

Entidades se posicionam contra o PLC 26/2010

Atualização (20 de junho de 2017):

Em 05 de junho de 2017, as 34 entidades e especialistas assinados ao final deste protocolaram ofício (ver abaixo) aos Senadores participantes da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, à presidente da comissão e, em especial, ao Senador responsável pela relatoria, Valdir Raupp.

No dia 07 de junho, possivelmente em consequência desta manifestação coletiva, o projeto foi felizmente retirado de pauta a pedido do relator para reexame. Essa foi uma vitória parcial. O Senado tem duas legislaturas pra votar um projeto que venha da Câmara. Como o PLC 26/2010 chegou no Senado em 2010, caso não seja feita nenhuma movimentação até o final de 2018 seu prazo se esgota. Continuaremos atentos até que o PLC seja arquivado de forma definitiva.

==============================

Brasília, 05 de junho de 2017

V. Ex.ª Senador Valdir Raupp,
Relator do PLC 26/2010 na Comissão de Direitos Humanos do Senado

As organizações e especialistas abaixo assinados, vêm, por meio deste, manifestar a Vossa Excelência preocupação em relação à redação do PLC 26/2010, que pretende tornar obrigatório o “gesto do pedestre” antes de atravessar na faixa e que se encontra em análise na Comissão de Direitos Humanos do Senado.

Da forma como está proposto, e pelos motivos elencados a seguir, o referido Projeto representa uma ameaça à segurança de todos os brasileiros que andam a pé (deslocamento que corresponde a mais de 1/3 das viagens da população). Além de implicar na perda de direitos dos pedestres, um grupo já bastante vulnerável e destituído, a proposta contradiz diretrizes de segurança viária observadas por especialistas de todo o mundo (a lista de assinaturas pela alteração do PLC inclui os principais especialistas e gestores envolvidos no programa Paz no Trânsito, realizado em Brasília e apresentado como referência no mesmo).

Visando à adequação do PLC aos modernos conceitos de segurança e de cidadania no trânsito, e reconhecendo o esforço da autora e desta Comissão nessa direção, apresentamos, em anexo, uma proposta de substitutivo a ser apreciada.

Apontamentos técnicos sobre o PLC 26/2010

A norma pretende tornar obrigatório o gesto com o braço para que o pedestre tenha acesso ao direito de atravessar a rua na faixa. O projeto original previa que pedestres deveriam esperar um “acúmulo de pessoas” antes de realizar a travessia (sugestão que foi suprimida no Senado).

Por que tornar obrigatório o gesto com o braço representa um risco para a segurança do pedestre no trânsito:

1. A medida atenua crimes de trânsito: motoristas imprudentes terão respaldo legal para alegar que uma pessoa atropelada na faixa, lugar legítimo de travessia, não fez o “gesto do pedestre”. Além do judiciário, a opinião pública, embasada pela regra, poderá argumentar uma culpa concorrente, ou até mesmo exclusiva, do pedestre que for atropelado na faixa sem antes fazer o gesto, podendo este ainda ter que comprovar que teria feito o gesto. Isso levanta consequências sérias de atenuação da culpa do condutor nas esferas penais e cíveis, podendo resultar no aumento do desrespeito à faixa por parte dos condutores em geral;

2. A medida torna inexequível a travessia de pessoas com deficiência e de pessoas com os filhos nos braços ou carregando objetos: há uma diversidade de situações em que as pessoas estão impossibilitadas de fazer o sinal com as mãos, como por exemplo: pessoas com mobilidade reduzida, pais que carregam seus filhos no colo ou seguram suas mãos, pessoas carregando cargas ou compras nos braços. Com o projeto, pessoas nesta situação perderiam, na prática, o direito à travessia na faixa;

3. A medida negligencia soluções eficazes de segurança para pedestres, já utilizadas e recomendadas internacionalmente: em conformidade com a Convenção de Viena sobre Trânsito Viário de 1968 (Decreto nº 86.714, de 10 de dezembro de 1981), a orientação do poder público, por meio de campanhas educativas e fiscalização, é de que ao aproximar-se de qualquer cruzamento ou faixa de pedestres os motoristas devem manter atenção especial e velocidade moderada, observando a preferência a pedestres, ciclistas, crianças, idosos e pessoas com deficiência, e outros meios de transporte e garantindo sua segurança;

4. A medida contradiz as normas expressas nos artigos 29, 44 e 70 do Código de Trânsito Brasileiro, que regulamenta a travessia:

a. Art. 29. O trânsito de veículos nas vias terrestres abertas à circulação obedecerá às seguintes normas:
§ 2º Respeitadas as normas de circulação e conduta estabelecidas neste artigo, em ordem decrescente, os veículos de maior porte serão sempre responsáveis pela segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados e, juntos, pela incolumidade dos pedestres.

b. Art. 44. Ao aproximar-se de qualquer tipo de cruzamento, o condutor do veículo deve demonstrar prudência especial, transitando em velocidade moderada, de forma que possa deter seu veículo com segurança para dar passagem a pedestre e a veículos que tenham o direito de preferência.

c. Art. 70. Os pedestres que estiverem atravessando a via sobre as faixas delimitadas para esse fim terão prioridade de passagem, exceto nos locais com sinalização semafórica, onde deverão ser respeitadas as disposições deste Código.

5. A medida torna redundante o dispositivo da faixa de travessia de pedestre, sinalização que deveria ser suficiente para garantir a travessia segura das pessoas, devidamente regulamentada pelo art. 85 do CTB:

Art 85: Os locais destinados pelo órgão ou entidade de trânsito com circunscrição sobre a via à travessia de pedestres deverão ser sinalizados com faixas pintadas ou demarcadas no leito da via.

6. A medida representa perda de direitos: condicionar a preferência do pedestre na travessia da faixa ao sinal com o braço significa uma perda de um direito (Art. 44) e uma inversão de prioridades. Diferentemente, se faz necessário reforçar no processo de formação do condutor e, por meio de campanhas permanentes de educação, o respeito à legislação já existente voltada a essa questão.

7. A medida, na prática, diminui a responsabilidade do motorista em prezar pela segurança do pedestre: a responsabilidade é invertida, e o pedestre se torna responsável para que o motorista respeite as regras de trânsito acima mencionadas.

8. A medida segue orientação contrária à tendência internacional das políticas de segurança no trânsito: a Política Nacional de Mobilidade Urbana, instituída em 2012 através da Lei Federal da Mobilidade Urbana 12.587/12, determina​ no inciso II do Artigo 6º a priorização dos modos de deslocamento não-motorizados, notadamente o pedestre e o ciclista, incentivando a proteção da vida e a redução da violência no trânsito;

9. A medida onera o comportamento do pedestre e contradiz proposições de segurança viária observadas por especialistas de todo o mundo: estamos na segunda metade da Década de Ação pela Segurança no Trânsito, promovida pela ONU, na qual o Brasil é um de seus principais alvos. Se aprovada, tal medida contribuiria para a perda de credibilidade do país em relação às ações de segurança no trânsito;

10. Análises de especialistas e de organizações reconhecidas em todo o país alertam para os riscos em se instituir a obrigatoriedade do gesto do pedestre, como:

ITDP (Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento);
ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos, Comissão de Mobilidade a Pé e Acessibilidade); 
Associação Civil Rodas da Paz;
Cidadeapé – Associação pela Mobilidade a Pé em São Paulo;
Diário da Mobilidade;
Paulo Cesar Marques da Silva. Engenheiro, doutor em estudos de transportes pela University College London (Reino Unido), professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Brasília.

11. A medida vai contra as diretrizes adotadas na campanha Paz no Trânsito em Brasília: a primeira e mais importante medida adotada em Brasília durante a campanha foi a redução dos limites de velocidade nas vias: Vias hoje de 60 km/h tinham velocidades médias de 80 a 90 km/h. Em seguida, foi feita uma campanha com apoio espontâneo da mídia (Correio e Rede Globo/Alexandre Garcia) alertando a população com 45 dias de antecedência que as travessias da faixa seriam fiscalizadas. No primeiro dia foi colocado um fiscal em cada faixa e após um mês de erros e acertos os carros começaram a parar na faixa. Com a faixa, agora segura, deu-se início a educação de Trânsito para os pedestres sobre a travessia em semáforos. O gesto da mãozinha com formato de “positivo” ou “legal” foi inserido posteriormente, como parte de uma campanha de legalização de ocupações. O falecido Cel Azevedo – Comandante do Batalhão de Trânsito e coordenador operacional da Campanha da Faixa era Totalmente contrário a essa medida, dado que a obrigatoriedade do gesto não guarda justificativa técnica;

12. Enquetes públicas indicam que a população em geral se opõe ao projeto: como pode ser observado em duas esquetes online, tanto no site do Senado, como no site independente http://www.votenaweb.com.br/projetos/plcs-26-2010

Em face das informações acima dispostas, esperamos contar com o apoio de Vossa Excelência para a alteração ou mesmo o arquivamento do referido Projeto de Lei.

Atenciosamente,

Entidades e especialistas listados

Andarapé
ANTP – Associação Nacional de Transportes Públicos, Comissão de Mobilidade a Pé e Acessibilidade
Ape – Estudos em Mobilidade
BH em Ciclo
Biomob
Ciclocidade
Cidade dos Sonhos
Cidadeapé
Cidade Ativa
Coletivo BiciMogi
Conselheiros do CONTRANDIFE – Conselho de Trânsito do Distrito Federal
Corridaamiga
INESC – Instituto de Estudos Socioeconômicos
Instituto MDT – Movimento Nacional pelo Direito ao Transporte Público de Qualidade
ITDP – Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento
Milalá
Mobilize Brasil
Movimento Nossa BH
Movimento Olhe pelo Recife
Observatório do Recife
Nossa Brasília
Nossa São Luís
Pé de Igualdade
Pedala Manaus
Rede Brasileira de Cidades Justas, Democráticas e Sustentáveis
Rede Nossa Mogi das Cruzes – SP
Rede Nossa São Paulo
Rodas da Paz
RUAVIVA – Instituto da Mobilidade Sustentável
SampaPé
UCB União dos Ciclistas do Brasil

Especialistas envolvidos no programa Paz no Trânsito

Nazareno Stanislau Affonso (Secretário de Transporte e Coordenador do Programa Paz no Transito)
Roberto A. de Aguiar (Secretário de Segurança e Coordenador do Programa Paz no Trânsito)
Fábio Resende (Dirigente pela Secretaria de Transporte pela Operação do Programa)
Victor Pavarino (Técnico da Secretaria de Transportes do GDF do Programa Paz no Trânsito, atualmente Assessor Internacional em Segurança Viária da OPAS/OMS)
David Duarte (Coordenador do Fórum pela Paz no Trânsito, Professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília)

8 motivos para ser contra o Projeto que obriga pedestres a fazer sinal com a mão para atravessar na faixa

O PLC 26/2010, que pretende tornar obrigatório o gesto com o braço para que o pedestre tenha o direito de atravessar a rua na faixa, se encontra em análise na Comissão de Direitos Humanos do Senado.

Entenda por que essa medida representa um risco para a segurança do pedestre:

    1. Reduz a responsabilidade do motorista em prezar pela segurança do pedestre: a responsabilidade é invertida, e o pedestre se tornará responsável para que o motorista respeite as regras de trânsito.
    2. Dá respaldo legal para um motorista imprudente alegar que uma pessoa atropelada na faixa não fez o “gesto do pedestre”. Embasado pela regra, o judiciário poderá argumentar uma culpa concorrente, ou até mesmo exclusiva do pedestre atropelado na faixa, podendo este ainda ter que comprovar que teria feito o gesto.
    3. Resultará no aumento do desrespeito à faixa por parte dos motoristas e das mortes, já que a responsabilização do motorista será menor.
    4. Tornará ilegal a travessia de pessoas com deficiência e de pessoas com os filhos nos braços ou carregando objetos: pessoas com mobilidade reduzida impossibilitadas de fazer o sinal com as mãos, pais com filhos no colo ou segurando suas mãos, pessoas carregando cargas ou compras correrão maior risco e perderão o direito à travessia na faixa.
    5.  Contradiz as normas já existentes nos artigos 29, 44 e 70 do Código de Trânsito Brasileiro, que regulamenta a travessia:
      a. Art. 29. O trânsito de veículos nas vias terrestres abertas à circulação obedecerá às seguintes normas:
      § 2º Respeitadas as normas de circulação e conduta estabelecidas neste artigo, em ordem decrescente, os veículos de maior porte serão sempre responsáveis pela segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados e, juntos, pela incolumidade dos pedestres.
      b. Art. 44. Ao aproximar-se de qualquer tipo de cruzamento, o condutor do veículo deve demonstrar prudência especial, transitando em velocidade moderada, de forma que possa deter seu veículo com segurança para dar passagem a pedestre e a veículos que tenham o direito de preferência.
      c. Art. 70. Os pedestres que estiverem atravessando a via sobre as faixas delimitadas para esse fim terão prioridade de passagem, exceto nos locais com sinalização semafórica, onde deverão ser respeitadas as disposições deste Código.
    6. Representa perda de direitos: condicionar a preferência do pedestre na travessia da faixa ao sinal com o braço significa uma perda de um direito e uma inversão de prioridades. Diferentemente, se faz necessário reforçar no processo de formação do condutor e, por meio de campanhas permanentes de educação, o respeito à legislação já existente.
    7. Vai contrária à tendência internacional das políticas de segurança no trânsito de priorização dos modos de deslocamento não-motorizados e de incentivo à proteção da vida;
    8. Onera o comportamento do pedestre e vai contra as diretrizes de segurança viária observadas por especialistas internacionalmente.

Além disso

  • Análises de diversas organizações reconhecidas em todo o país alertam para os riscos em se instituir a obrigatoriedade do gesto do pedestre, como ITDP (Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento), a ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos, Comissão de Mobilidade a Pé e Acessibilidade), o Portal Mobilize, a Rodas da Paz, entre muitas outras.
  • A medida vai contra as diretrizes adotadas na campanha Paz no Trânsito em Brasília, tendo sido veementemente criticada pelos especialistas envolvidos no pioneiro programa Paz no Trânsito

Convocação Assembleia Geral Ordinária Rodas da Paz 2017

A Associação Civil Rodas da Paz, CNPJ Nº 05.921.483/0001-80, com sede e foro nesta cidade, convoca a todos os associados e à comunidade em geral para a Assembléia Geral Ordinária que será realizada no próximo dia *10 de junho de 2017, sábado, às 9:00h* em primeira convocação e às 9:30h, em segunda e última convocação.
A Assembléia será realizada no espaço Co-Piloto, na CLS 306 bloco A, Asa Sul, Brasília (DF), tendo como pauta inicial proposta:

(1) Apresentação das atividades desenvolvidas nos dois anos da atual gestão
(2) Apresentação resumida do balanço financeiro do período
(3) Oficialização dos novos associados
(4) Eleição da(s) chapa(s) candidatas para a coordenação

Vale lembrar que os Associados Efetivos devem estar com o pagamento da anuidade em dia para ter seu poder de voto garantido na Assembleia — assim como também os demais Associados que desejem se efetivar. A contribuição é de R$ 60,00 (sessenta reais) e pode ser paga através de nosso site (não é preciso preencher a ficha de filiação novamente, basta clicar em ‘assinar’ na imagem do sistema pagseguro ao final da página).

Solicitamos aos interessados em se associar que preencham o formulário: http://www.rodasdapaz.org.br/Ficha-de-Filiacao

Aguardamos a presença de todos!

ONG Rodas da Paz abre vaga para estágio em Comunicação

 

A ONG Rodas da Paz abriu edital para contratação de estudante de Comunicação Social para atuar em suas mídias sociais.
É preciso estar pelo menos no 6º semestre do curso, ter boa redação, domínio de ferramentas web, ser usuário/a das principais mídias sociais, ter organização, ser criativo/a e responsável.
O candidato deverá ter disponibilidade para participar da atividade de formação de voluntários realizada pela ONG, prevista para os dias 24 e 25 de junho de 2017.

Organização: Associação Rodas da Paz (ONG)
Vaga: Estagiário(a) de Comunicação a partir do 6º semestre
Trabalho: Produzir conteúdo e alimentar as mídias sociais da ONG
Horário: 25 horas por semana (horário flexível com eventuais atividades em finais de semana)
Local: Brasília, DF
Início: a partir de junho de 2017

Atividades:
Apoio na produção de conteúdo para os canais de Comunicação (mailling, site institucional, redes sociais, boletim informativo e materiais audiovisuais);
Atualização de site e redes sociais (facebook, instagram, telegram, twitter);
Apoio no atendimento à imprensa;
Edição de clippings;
Manutenção dos contatos da organização;

Quesitos
Bom conhecimento do pacote Office;
Conhecimento básico de WordPress;
Conhecimento da ferramentas de e-mail marketing – MailChimp (desejável);
Experiência no terceiro setor (desejável);
Experiência prévia na área de Comunicação;
É preciso saber trabalhar num ambiente de diversidade cultural, sem quaisquer posturas de discriminação.

Benefícios
Remuneração de R$ 750,00
Férias proporcionais
Auxílio transporte de R$ 100,00
Auxílio alimentação eventual em atividades externas
Ambiente de trabalho e colegas maravilhosos

Enviar currículo para [email protected] até 05/06/17 com o título SELEÇÃO ESTÁGIO.

A vaga faz parte do projeto de desenvolvimento institucional da ONG, patrocinado pelo banco Itaú.

Rodas da Paz

A ONG Rodas da Paz foi instituída em 2003 com o objetivo de reagir à violência e ao crescente número de acidentes e mortes no trânsito do Distrito Federal. Desde então, trabalha com a promoção da mobilidade sustentável, plural e pacífica, como direito de todo cidadão.
Buscamos incidir sobre a realidade da mobilidade urbana por meio da sensibilização e mobilização cidadã, do controle social e da influência sobre políticas públicas.
Acreditamos que os pedestres devem ter preferência sobre todas as outras formas de deslocamento e incentivamos o uso cotidiano da bicicleta (seja como lazer, esporte ou transporte) como estratégia para dar visibilidade ao tema da mobilidade e do direito à cidade. Nosso âmbito principal de atuação é o DF e somos associados à União de Ciclistas do Brasil.

Ciclofaixa de Águas Claras: não deixe a falta de informação atropelar esta conquista

O debate sobre o convívio da bicicleta com carros, ônibus, motos e pedestres tem se tornado cada vez mais frequente, principalmente depois das últimas ocorrências que envolveram atropelamento de ciclistas em diferentes regiões do DF.

Além de ser uma prática saudável, as pessoas estão compreendendo que a bicicleta é uma forma alternativa ao carro para se deslocar pela cidade, às vezes por escolha e muitas vezes por necessidade, e que pode ser combinada com outros meios de transporte, como metrô e ônibus. Por isso, a bicicleta é um modo de transporte inclusivo e sustentável.

Esta é uma tendência global, e sem volta. Ainda bem. Mais bicicletas, menos carros. Menos carros, mais cidade para as pessoas. Menos CO², mais ar puro.

A cidade é de todas e todos. Na teoria, todo mundo sabe disso, mas colocar em prática a convivência pacífica com as diferenças exige solidariedade, atenção, respeito ao outro e à lei.

O Código de Trânsito existe para proteger a vida, e o maior protege a vida do menor: o motorista – dos diferentes meios de transporte – protege a vida do ciclista, e todo mundo protege a vida do pedestre.

Não foi o que aconteceu recentemente em Águas Claras, onde, no dia 5/4/2017, uma ciclista foi atropelada na ciclofaixa. A ciclofaixa da Av. das Araucárias de Águas Claras, implantada em março de 2016 já se tornou um marco nas conquistas pela mobilidade urbana do DF.

A Rodas da Paz viu de perto a mobilização da comunidade, se engajou na causa e continua apoiando firmemente a iniciativa. Além da mobilização, a própria ciclofaixa é exemplar: tem sinalização vertical e horizontal que garante a preferência do ciclista nos cruzamentos, conforme assegura o Código de Trânsito no seu artigo 214. Os motoristas que não dão preferência à bicicleta estão cometendo uma infração gravíssima, e tornam o trânsito mais hostil e violento.

É preciso que a lei seja respeitada para que o vermelho no chão da ciclofaixa seja tinta, e não sinal da violência no trânsito.

O que aconteceu em Águas Claras não é motivo para culpar a ciclofaixa, muito menos a vítima.

Neste caso, o motorista fez a conversão à esquerda, a partir da faixa do meio, sem atenção e sem dar preferência à ciclista. A ciclofaixa e a ciclista não podem ser responsabilizadas pelo gesto imprudente do motorista. O que ele fez só justifica duas coisas: cobrar a responsabilidade pela sua atitude e educá-lo para o trânsito.

Nem a ciclista, nem a ciclofaixa têm responsabilidade pela imprudência do motorista.

Diante da violência no trânsito, precisamos fortalecer as conquistas na política pública pela mobilidade urbana, e não enfraquecê-las.

Se alguém utilizar indevidamente o cinto de segurança, isso não é justificativa para bani-lo como item obrigatório.

Quando uma pessoa é atropelada na faixa de pedestre, apagar a faixa não evita que a situação se repita em outro lugar.

Se pessoas estão sendo vítimas da violência no trânsito porque se deslocam de bicicleta, é preciso encontrar formas de garantir sua segurança, às vezes por meio de ciclovias e ciclofaixas, e não tirá-las das ruas.

Cada pequeno gesto conta para trazer mais segurança, como colocar as crianças na cadeirinha. De acordo com as estatísticas recentes, o uso da cadeirinha para crianças no banco de trás reduziu em 23% as mortes de crianças no trânsito no Brasil.

Na contagem de ciclistas feita pelas Rodas da Paz em setembro de 2016, um semestre após a implantação da primeira ciclofaixa de Águas Claras, constatou-se que o uso de bicicleta havia crescido 40% em relação à contagem anterior, de outubro de 2015, mostrando como dar incentivos à mobilidade ativa traz resultados positivos.

Receba as notícias da Rodas da Paz no seu WhatsApp!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A partir agora, quem pedala no DF vai poder receber, direto no aplicativo, as principais notícias sobre bicicleta e mobilidade!

Para participar, basta adicionar nos contatos o número (61) 98169-3693 e enviar uma mensagem dizendo “todo dia é dia de bike”.

IMPORTANTE: Não envie SMS ou faça ligações para o número acima. O nosso sistema aceita apenas mensagens de WhatsApp. E não se preocupe, não vai rolar corrente!

Autódromo novamente aberto para ciclistas

Foi realizada no dia 23 (quinta-feira), uma reunião com a Secretaria de Esportes, assessorias esportivas e ciclistas. Gustavo Souto Maior, conselheiro da Rodas da Paz, participou do encontro que discutiu a liberação do espaço do autódromo para o uso de ciclistas, visto que essa atividade havia sido interrompida em função de reforma no local.
O encontro teve resultado positivo. A partir de agora o autódromo poderá ser utilizado por todos os ciclistas que tiverem interesse de terças às quintas-feiras, das 6h às 9h.

Foi informado ainda que a parte que não está asfaltada poderá ser usada por mountain bikes.

fotos: Gustavo Souto Maior

Território e Mobilidade em debate nessa quinta na CLDF (23/3) às 15h

Nos últimos anos estão em debate aqui no Distrito Federal importantes instrumentos de planejamento territorial, a Lei Complementar de Uso e Ocupação do Solo do DF – LUOS e o Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília – PPCUB, e seus respectivos projetos de lei devem seguir para a Câmara Legislativa em 2017. Esses instrumentos são cruciais para tratar da urbanização no DF, que tipo de empreendimentos poderão ser feitos, onde a população poderá morar e onde estarão os postos de trabalho. Por serem tão importantes, trazem a tona muitos interesses, especialmente relacionados à especulação imobiliária.

Pode não parecer óbvio, mas esses instrumentos também têm tudo a ver com mobilidade urbana. Como se dá essa relação? É possível resolver problemas de transporte com ações relativas a uso e ocupação do solo? Para aprofundar essa discussão, a Rodas da Paz, em parceria com o Deputado Distrital Chico Leite, convida você para debatermos juntos esse tema tão relevante para a qualidade de vida de todos os habitantes do DF.

Comissão Geral: PLANEJAMENTO TERRITORIAL E MOBILIDADE URBANA
Quando: Próxima quinta-feira, dia 23/03, às 15h
Onde: Plenário da Câmara Legislativa do Distrito Federal

Convidados:
Clarisse Linke (ITDP)
Célio Melis Jr (IAB-DF)
Paulo Cesar (UnB)

Para saber mais sobre a LUOS, clique aqui.

Para saber mais sobre o PPCUB, clique aqui.