Território e Mobilidade em debate nessa quinta na CLDF (23/3) às 15h

Nos últimos anos estão em debate aqui no Distrito Federal importantes instrumentos de planejamento territorial, a Lei Complementar de Uso e Ocupação do Solo do DF – LUOS e o Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília – PPCUB, e seus respectivos projetos de lei devem seguir para a Câmara Legislativa em 2017. Esses instrumentos são cruciais para tratar da urbanização no DF, que tipo de empreendimentos poderão ser feitos, onde a população poderá morar e onde estarão os postos de trabalho. Por serem tão importantes, trazem a tona muitos interesses, especialmente relacionados à especulação imobiliária.

Pode não parecer óbvio, mas esses instrumentos também têm tudo a ver com mobilidade urbana. Como se dá essa relação? É possível resolver problemas de transporte com ações relativas a uso e ocupação do solo? Para aprofundar essa discussão, a Rodas da Paz, em parceria com o Deputado Distrital Chico Leite, convida você para debatermos juntos esse tema tão relevante para a qualidade de vida de todos os habitantes do DF.

Comissão Geral: PLANEJAMENTO TERRITORIAL E MOBILIDADE URBANA
Quando: Próxima quinta-feira, dia 23/03, às 15h
Onde: Plenário da Câmara Legislativa do Distrito Federal

Convidados:
Clarisse Linke (ITDP)
Célio Melis Jr (IAB-DF)
Paulo Cesar (UnB)

Para saber mais sobre a LUOS, clique aqui.

Para saber mais sobre o PPCUB, clique aqui.

Rua do Lazer em Taguatinga?

Você gostaria de ver Taguatinga com uma Rua do Lazer, assim como no Eixão?

 

 

Um aluno da UnB está realizando uma pesquisa uma pesquisa para identificar a criação de uma Rua do Lazer na Av. Comercial Norte de Taguatinga aos domingos (algo parecido com o que acontece no Eixão).

 

É necessário que o maior número de pessoas responda um breve questionário sobre o assunto.


Em menos de 3 minutinhos você pode ajudar a transformar Taguatinga.

 

Clique aqui e responda a pesquisa: https://www.onlinepesquisa.com/s/9d70768

 

Compartilhe com amigos moradores de Tagua, mas se você é de fora, também pode responder, ok?

 

Qualquer dúvida envie um email para [email protected]

E a ciclovia da EPTG vai sair!

EPTG CICLOVIA FINAL

Segundo o edital disponível no site  (Clique aqui) do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER/DF), o processo licitatório para a implantação da ciclovia na Estrada Parque Taguatinga (EPTG) ocorrerá no dia 2 de fevereiro.

Desde 2005, o DF conta com a lei distrital nº 3639/05 que prevê a construção de ciclovias em suas rodovias. No escopo do Programa de Transporte Urbano do DF – PTU/DF, componente do Brasília Integrada, iniciado em 2007, o projeto da Linha Verde considerava uma ciclovia na “nova EPTG”. A obra de expansão da rodovia foi executada, porém a ciclovia prevista foi suprimida.

A Rodas da Paz vem pressionando, há anos, os órgãos responsáveis do GDF pela implantação de infraestrutura cicloviária nas rodovias distritais. Em 2015, um novo projeto do DER-DF para a ciclovia da EPTG voltou a ser debatido, após o Ministério Público do Distrito Federal encaminhar a denúncia feita em agosto de 2014 pela Rodas da Paz (Clique aqui para ler a denúncia), na qual a ONG alegou que o Governo do DF “não tem obedecido ao que determina a lei, em clara inobservância do Código de Trânsito Brasileiro e da Política de Mobilidade Urbana por Bicicletas, Lei nº 3.885/2006”.

Naquele contexto, a ONG viu a importância de se realizar uma contagem de ciclistas nessa rodovia, para mostrar a demanda já existente por infraestrutura cicloviária na via e compará-la com as demandas futuras, após a construção de infraestrutura cicloviária. Mesmo sem segurança, com tráfego intenso em alta velocidade, mais de 200 ciclistas foram vistos num dia com chuva próximo à passarela do Guará, entre 6h da manhã e 8h da noite. (Clique para ver o Relatório da Contagem)

A obra, orçada em R$ 11 milhões, deve começar logo após o processo licitatório. Com prazo de execução de até 8 meses, é possível que os ciclistas do DF possam pedalar na ciclovia da  EPTG até o fim do ano. Vamos ficar de olho!

Recordação de como foi o 2016 para a Rodas da Paz

A Rodas da Paz agradece o apoio que recebeu durante todo o ano de 2016. A colaboração de todos foi fundamental para a garantia dos resultados obtidos. E estamos aqui para avisar que em 2017 nossa luta irá continuar!

Em 2016 a Rodas da Paz deu continuidade ao trabalho de promoção à mobilidade sustentável. Com sucesso, conseguimos promover o debate com importantes nomes das políticas públicas sobre a bicicleta no Distrito Federal. Além disso, colocamos na prática projetos e atividades que trouxeram resultados significativos na questão da mobilidade ativa em várias cidades do DF.
Em Águas Claras realizamos mais uma contagem de ciclistas, mas dessa vez, a ciclofaixa já estava implantada na Avenida das Araucárias, o que mostrou um resultado surpreendente.
O passeio ciclístico anual contou com pelo menos 4 mil ciclistas, com o tema “Todo dia é Dia do Ciclista!”. Foram realizados dois percursos, o tradicional e o infantil, carinhosamente chamado de Rodinhas da Paz.
Foi re-encaminhado ao Congresso Nacional proposta elaborada pela Rodas da Paz para que o dia 19 de agosto seja reconhecido oficialmente o como Dia Nacional do Ciclista. Nesta data, em centenas de cidades são realizados eventos para a divulgação do uso da bicicleta e campanhas de respeito e proteção aos que pedalam. O projeto encontra-se em tramitação.
Outro sucesso do ano foi o projeto Doe Bicicleta que só no primeiro semestre do ano arrecadou 270 bicicletas. Já no final do ano, foi fechada uma parceria entre metrô do DF e Rodas da Paz para que fossem arrecadar mais bikes.


Contagem de ciclistas em Águas Claras

Um ano após a primeira contagem, e seis meses após a implantação da ciclofaixa em Águas Claras, na Avenida das Araucárias, a Rodas da Paz realizou uma nova contagem no cruzamento entre a avenida Araucárias e a Rua das Pitangueiras, que tem acesso direto à estação Arniqueiras do Metrô-DF, e os resultados são surpreendentes!

unnamed (1) unnamed

  • O volume total de ciclistas ao longo do dia apresentou um aumento de 41%;
  • Aumentou consideravelmente o uso da bicicleta durantes a noite, com pico em 2016 no horário entre 19h e 20h;
  • Aumentou a participação no uso bicicleta entre jovens ciclistas, no grupo de 12 a 18 anos de 10% para 15%;
  • Caiu o uso da calçada de 30% para 5%;

Leia mais


unnamed (3) unnamed (2)

Todo dia é dia do ciclista!
Passeio Ciclístico Rodas da Paz

Neste ano de 2016, em 21 de agosto, tivemos o tradicional passeio ciclístico da Rodas da Paz, realizado anualmente. O tema escolhido para o ano foi “Todo dia é dia do ciclista!”. A edição contou com o percurso tradicional que vai até a ponte JK, e pelo terceiro ano consecutivo foi feito o percurso menor, que se concentrou na Esplanada dos Ministérios, o Rodinhas da Paz, destinado ao atendimento das crianças.
O evento reuniu em média 4 mil ciclistas que, ao pedalarem juntos, garantiram a visibilidade para a causa da mobilidade ativa no trânsito de nossas cidades e para reforçar o compromisso do Governo com melhorias nas condições de mobilidade da população. Este passeio teve também foco na busca pela oficialização do Dia Nacional do Ciclista.

Leia mais

Antecedendo o passeio também foi realizada uma homenagem a Pedro Davison, com uma missa que foi celebrada na Catedral de Brasília, no 19 de agosto, reconhecido como o Dia do Ciclista.

Leia mais

unnamed (4)


 

Desafio Intermodal

O 8º Desafio Intermodal aconteceu no dia 26 de setembro. Contando com 26 voluntários divididos em 12 modalidades de transporte foram percorridos no total 14km. Assim como nas edições anteriores, a bicicleta se destacou como meio de transporte mais eficiente. O melhor tempo, apesar de ter sido feito por uma moto, ainda sim saiu em desvantagem com relação à bicicleta por conta da emissão de poluentes.

unnamed (5)


unnamed

 


Um pouco mais sobre a formação de voluntários

Neste ano foi feita a 4ª formação de voluntários da Rodas da Paz. Nos dias 6 e 7 de agosto, entusiastas conversaram mais sobre mobilidade urbana, políticas de incentivo à bicicleta, além de entender melhor sobre a realidade do DF.

unnamed (1)


Como foi a Semana da Mobilidade nesse ano?

Nesse ano a Semana da Mobilidade foi cheia de novas atividades que ocuparam várias cidades do Distrito Federal, buscando a valorização das pessoas e dos espaços públicos.
Na Cidade Estrutural rolou o Pimp my bike. Por ser uma das cidades onde as pessoas mais utilizam a bicicleta como meio de transporte, a Rodas da Paz foi lá para realizar pequenos reparos nas bicicletas da população.
A Rodas também marcou presença no Centro de Convenções Ulysses Guimarães junto no Enacor, com um stand sobre mobilidade ativa junto a Bike Anjo DF.

unnamed (2)


Repense Ponta Norte e mais sobre a EPTG

No dia 10 de setembro foi feita uma reunião para discutir sobre as obras do TTN na Ponte do Bragueto e saída norte com a turma do Repense Ponta Norte.
Já no dia 17 de novembro, foi feita uma reunião entre a Rodas da Paz e o DER para que fosse conversada a questão da ciclivia na EPTG, além de relembrarem a questão do TTN.

unnamed (6) unnamed (3)


Doe Bicicleta em 2016

Retomando as atividades o Doe Bicicleta voltou a todo vapor. No primeiro semestre do ano foram arrecadadas 270 bicicletas, que foram distribuídas para diversos projetos sociais, incluindo uma comunidade de refugiados que foram acolhidos no Brasil. A entrega aconteceu no Parque da Cidade, como parte das atividades do Dia Mundial de Boas Ações.
O projeto também contou com a doação de uma nova carretinha, feita pela embaixada da Austrália, para coletarmos as bicicletas.
Por fim, foi realizada uma parceria entre a Rodas da Paz e o Metrô do DF para que fosse realizada a coleta de bicicletas. O projeto “Doe Mobilidade”, foi realizado nos dias 14 e 15 de outubro na Estação Central do Metrô.

unnamed (8)unnamed (7)

unnamed (12) unnamed (11)


Menção honrosa III Prêmio – A promoção da mobilidade por bicicleta no Brasil

A Rodas da Paz recebeu Menção Honrosa relacionada à Ação Educativa e Conscientização com o projeto Caminhos da Cidade. A premiação recebeu tantos concorrentes bons, que ao invés de serem dadas apenas duas menções honrosas a projetos de todo Brasil, foram oferecidas três, sendo a Rodas da Paz uma das premiadas com o título.

 

 

unnamed (13)


E 2017?

Fizemos muito em 2016, não podemos e nem vamos desanimar, a luta pela promoção da mobilidade ativa, sustentável e promoção de políticas educativas para ciclistas e motoristas, bem como a melhora de infraestrutura para que ciclistas tenham mais segurança, vão continuar como principal prioridade em 2017.
Sabemos que nenhuma mudança é instantânea, são conquistas diárias e os resultados virão em processo de construção.
A Rodas da Paz faz o seu melhor na luta para que, a cada dia, o Distrito Federal se torne mais preparado para ter o uso da bicicleta como elemento importante de sua mobilidade, valorizando a que todos os modais, para além do uso do automóvel particular, possam ser contemplados na prioridade dos investimentos públicos.  A promoção de um cotidiano harmonioso entre as diferentes opções, e sua integração e qualidade, são fundamentais para que nossas cidades sejam eficientes em sua mobilidade, propiciando qualidade, respeito à vida, e o uso das cidades por seus habitantes.

Que venha 2017, com mais realizações, lutas e conquistas!

 

 


unnamed (4)

 

Rodas da Paz e DER discutem EPTG e TTN

20161117_183507
 
No dia 17/11/16, o DER recebeu a Rodas da Paz para conversar sobre a ciclovia da EPTG e o Trevo de Triagem Norte (TTN). Do órgão distrital participaram o Diretor Geral, Henrique Ludovice, a Diretora de Estudos e Projetos, Ery Brandi, e o Superintendente de Trânsito, Cristiano Cavalcante. Da ONG estiveram presentes Tom Barros, Bruno Leite e Rafael Stucchi.
 
Sobre a ciclovia da EPTG, o projeto foi finalizado e está disponível para quem estiver interessado. O Diretor Geral do DER também concordou em compartilhar o Termo de Referência, assim que concluído, e não se manifestou contrário à participação da Rodas da Paz na análise do edital, ainda antes de sua publicação, para possíveis correções.
 
A próxima etapa será o lançamento da licitação que, no entanto, ainda não tem data prevista. O projeto foi orçado em quase 11 milhões de reais, dos quais 6 milhões já foram aprovados pelo Banco do Brasil. Segundo o Diretor Geral, os quase 5 milhões faltantes seriam angariados com os deputados do DF por meio de emendas parlamentares.
Colocamos o projeto nos links abaixo:
 O que você achou dele? Deixe aí embaixo seus comentários.
 
Já em relação ao TTN, os representantes da Rodas da Paz questionaram sobre a incorporação da proposta elaborada pela Secretaria de Mobilidade – SEMOB ao projeto do DER. De acordo com o relatório de análise elaborado pela Rodas da Paz, o projeto do TTN, como está sendo implantado, teve como concepção a ampliação da capacidade rodoviária, visando o fluxo livre dos veículos motorizados. A preocupação com os demais usuários da cidade, como usuários de transporte público, pedestres e ciclistas, foi claramente marginal e a infraestrutura a eles destinada, além de insuficiente, foi projetada de modo a reduzir ao máximo as interferências com a malha rodoviária.
A fim de mitigar os impactos negativos do projeto para ciclistas e pedestres, a proposta da SEMOB se baseia em deslocamentos mais eficientes para essas pessoas, em relação à concepção original do TTN. Em resposta, Henrique Ludovice comunicou que a empresa supervisora da obra, com base no que foi apresentado pela SEMOB, está elaborando uma contra-proposta, que, assim que finalizada, será apresentada para a sociedade. Entretanto, não foi indicada uma data prevista.
Por fim, o Diretor Geral do DER não informou se essas alterações de projeto da rede cicloviária caberão no aditivo contratual do complexo rodoviário. Em contrapartida, esclareceu que, caso necessário, nova licitação seria lançada.
 
Entenda mais sobre esses casos! Veja o que já publicamos sobre a EPTG aqui e o sobre o TTN aqui.

Justiça sendo feita: condenação de Ricardo Neis

 

Em 25 de fevereiro de 2011, o bancário Ricardo José Neis avançou com o carro sobre 150 ciclistas que participavam da Massa Crítica de Porto Alegre, atingindo 17 deles. Além dos participantes da pedalada, havia transeuntes, crianças e moradores do bairro Cidade Baixa, de onde o encontro sai mensalmente.

Nesta quarta-feira, 23 de novembro de 2016, cinco anos depois, Ricardo Neis foi declarado culpado por unanimidade por um júri popular. O réu foi condenado integralmente a cumprir sentença de 12 anos e 9 meses de reclusão, por 11 tentativas de homicídio triplamente qualificado e cinco lesões corporais, mas ainda pode recorrer em liberdade.

A justiça deu o primeiro passo para cumprir o que está previsto em lei, mas não podemos nos esquecer do trauma a que todos foram expostos neste dia. Não podemos esquecer que no momento em que o réu Ricardo Neis atropelou deliberadamente aquelas 17 vidas, consciente de que poderia ter posto fim ou alterado drasticamente alguma delas.

Segundo a lei, no que diz respeito à tipificação de crime, as questões “qualificadoras” das tentativas de homicídio são:

  • Motivo torpe (Neis teria se irritado por ter a passagem bloqueada pelo grupo, o que foi confirmado por dezenas de testemunhas),
  • Meio que dificulta a defesa das vítimas (o homem esperou ganhar distância do grupo para então acelerar e atingi-los pelas costas)
  • Perigo comum (risco de causar danos maiores).

Embora os crimes de trânsito sejam recorrentes no Brasil, as condenações não o são, havendo um grave histórico de absolvição de motoristas que assumem risco de matar e de banalização desses delitos. Esta condenação, diferentemente, é um passo importante para o fim da impunidade em tantos outros casos similares.

É importante lembrar ainda que, mesmo com o cumprimento da pena, a condenação em si não garante à sociedade que o réu vai retornar melhor e incorporar um comportamento mais digno e humano, afinal, ir para a cadeia no Brasil é uma experiência degradante.

Para uma mudança maior, é necessário um esforço de justiça restaurativa orientado aos condenados, que poderiam, por exemplo, participar de programas de atendimento a vítimas de trânsito em hospitais. O contato com vítimas do trânsito que tiveram suas vidas duramente modificadas em situações semelhantes poderia ser uma forma de mostrar ao condenado as consequências de seu ato, aproximando-o das vítimas, permitindo a este reconhecer e assumir sua responsabilidade e oferecendo uma possibilidade efetiva de reabilitação.

Durante o julgamento a promotoria exibiu o conhecido curta metragem do Pateta no trânsito. Há que se cuidar do ambiente social que faz com que motoristas se sintam tão acima de outros no trânsito, sejam ciclistas, pedestres, usuários do transporte coletivo. A cidade é de todos. A ONG Rodas da Paz acredita nisso. E é para fortalecer, solidarizar-se e ajudar a mudar esta realidade que atuamos no dia a dia com a promoção da mobilidade sustentável, plural e pacífica, como direito de todo cidadão. Vamos em frente.

Livro reúne série de pesquisas sobre o perfil do ciclista brasileiro

O capítulo sobre o perfil do ciclista brasiliense foi escrito por pesquisadores da Rodas da Paz

No último dia 22 a Transporte Ativo lançou a publicação Mobilidade por Bicicletas no Brasil.O livro apresenta análises sobre dados da Pesquisa Perfil do Ciclista Brasileiro 2015, com capítulos escritos por pesquisadores de nove das dez cidades envolvidas na pesquisa. O prefácio da publicação ficou a cargo do jornalista André Trigueiro, que também esteve presente no evento.

IMG_0041

O lançamento foi realizado no Rio de Janeiro e contou com a presença de Fabio Iglesias, professor de Psicologia na UnB e voluntário da Rodas da Paz, que esteve no Rio de Janeiro para realizar uma apresentação no evento. Segundo o professor, nas apresentações de cada estado foram selecionadas informações para serem repassadas aos participantes.

Fabio conta que a apresentação destacava os resultados específicos feitos na pesquisa de 2015, além de serem propostas buscas para novas perspectivas de pesquisa para os próximos anos, afim de se conhecer mudanças no perfil do ciclista brasileiro ao longo dos anos.

Além disso, o professor conta que o principal problema levantado por todos os estados era relativo à estrutura cicloviária das cidades. “Mesmo sem fazer parte da pesquisa nacional nós levamos a questão de trechos como a EPTG e a Ponte do Bragueto, em Brasília. São vias muito rápidas, perigosas, mas o número de ciclistas que circulam nelas diariamente é considerável, colocanso em risco a vida de quem usa a bicicleta como meio de transporte”, conta.

mobilidade livro

Representando a Rodas

IMG_0017

O livro Mobilidade por Bicicleta no Brasil conta com um capítulo escrito pela coordenadora geral da Rodas da Paz, Renata Florentino e por Jonas Bertucci. O capítulo traz uma análise da situação dos ciclistas do Distrito Federal. Além disso os autores trazem dados que focam principalmente no perfil, motivações, demandas e comportamento dos ciclistas, além da avaliação que é feita por pessoas que utilizam a bicicleta como meio de transporte.

Também aproveitando o espaço, as análises trazem um perfil do ciclista brasiliense que desconstrói alguns pressupostos. A publicação detalha os motivos para se ampliar a malha cicloviária no Distrito Federal, tendo em vista que os resultados apresentados trazem o lado positivo da cidade em suportar mudanças que melhorariam a mobilidade de quem utiliza a bicicleta como meio de transporte.

A publicação está disponível para download, clique aqui e confira o livro completo.

IMG_0226

Jéssica Luz, com supervisão de Renata Florentino

 

Zoneamento Econômico e Ecológico do DF será debatido entre os dias 25 e 31 de outubro

Consultas públicas discutirão texto que regulamenta e estabelece critérios para os zoneamentos

 A coordenação técnica e política do Zoneamento Econômico e Ecológico do Distrito Federal (ZEE-DF) irá promover três consultas públicas durante o mês de outubro, para discutir o anteprojeto de lei que trata do ZEE-DF. Os encontros serão em Sobradinho, Samambaia e Plano Piloto, sempre a noite. O objetivo dos encontros é esclarecer a população e arrecadar subsídios para o aprimoramento do texto, que futuramente será encaminhado à Câmara Legislativa.

O ZEE faz parte de um conjunto de quatro leis – Lei de Uso e Ocupação do Solo, Planos de Desenvolvimentos Locais e Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília – que amparam o PDOT. É a boa elaboração e seguimento dessas leis que podem garantir a qualidade de vida urbana da população, regrando a interferência de interesses econômicos nas condições de vida dos moradores do DF.

O texto disponível traz um conjunto de planos e mapeamento de vocações de grandes zonas territoriais.  Segundo a proposta, o ZEE define duas grandes zonas com critérios distintos para a gestão territorial: (i) o desenvolvimento econômico e (ii) a preservação e redução de riscos ambientais. Essas zonas são repartidas em 13 subzonas, de acordo com a necessidade de preservação dos recursos hídricos ou a prioridade para o desenvolvimento econômico.pol

O ZEE, quando entrar em vigor, irá oferecer critérios e meios para que governo, empresários, agricultores, ambientalistas, investidores e sociedade civil observem os riscos ecológicos, os potenciais produtivos e econômicos e as condições sociais na ocupação do território pela população.

Segundo a Lei Orgânica do Distrito Federal, o ZEE já deveria ter sido aprovado em 1995. Na ausência da elaboração e aprovação do ZEE, o Ministério Público do DF o colocou como um dos compromissos assumidos pelo governo local no Termo de Ajustamento de Conduta 02/2007, que tratava da regularização dos condomínios e da ocupação urbana do Distrito Federal.

A principal discussão no debate atual do ZEE irá girar em torno da promoção do desenvolvimento social com redução de desigualdades sem que isso afete o meio ambiente, ou seja, crescimento econômico sustentável voltado para a população do Distrito Federal.

Fique de olho nas datas e locais das Consultas Públicas Presenciais e participe!

Data: 25/10/2016 (terça-feira)
Horário: das 19h às 22h
Cidade: Sobradinho
Local: Auditório do colégio La Salle
Endereço: Quadra 14, Área Especial, Lotes 24 a 27

Data: 26/10/2016 (quarta-feira)
Horário: das 19h às 22h
Cidade: Samambaia
Local: Auditório do Sest/Senat
Endereço: Quadra 420, Conjunto 08, Lote 01 – Subcentro/Leste – Complexo de Furnas

Data: 31/10/2016 (segunda-feira)
Horário: das 19h às 22h
Cidade: Plano Piloto
Local: Auditório do CREA-DF
Endereço: SGAS, Quadra 901, Conjunto D

A coordenação política do ZEE-DF é integrada pela Casa Civil, secretarias de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag); Meio Ambiente (Sema); Gestão Territorial e Habitação (Segeth); Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (Seagri); de Economia e Desenvolvimento Sustentável (SEDS); de Mobilidade (Semob); e de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI).

Para saber mais sobre o texto que irá auxiliar o debate, clique aqui. Para consultar presencialmente os documentos técnicos  compareça a sede da Sema-DF no endereço SEPN 511, Bloco C, Ed. Bittar.

Mais informações:
E-mail: [email protected]
Telefone: (61) 3214 – 5611
logo_zee

Águas Claras quer pedalar! Tem 40% mais pessoas pedalando com a ciclofaixa

Flyer - contagem Águas Claras Araucárias 2

A fim de contribuir com o debate em curso junto à comunidade de Águas Claras sobre a implantação da malha cicloviária proposta, a ONG Rodas da Paz realizou em outubro de 2015 as primeiras contagens de ciclistas nesta região. Estas contagens têm o objetivo de servir como um indicador sobre o uso da bicicleta permitindo conhecer o perfil do ciclistas antes do início da implantação do projeto e também permitindo mensurar o impacto de uma nova infraestrutura ciclável após sua implementação.

Em setembro de 2016, cerca de um ano após a primeira contagem e seis meses após a implantação da ciclofaixa na Avenida das Araucárias, realizamos uma nova contagem, no cruzamento entre a avenida Araucárias e a Rua das Pitangueiras, que tem acesso direto à estação Arniqueiras do Metrô-DF e os resultados são surpreendentes!

  • O volume total de ciclistas ao longo do dia apresentou um aumento de 41%;
  • Aumentou consideravelmente o uso da bicicleta durantes a noite, com pico em 2016 no horário entre 19h e 20h;
  • Aumentou a participação no uso bicicleta entre jovens ciclistas, no grupo de 12 a 18 anos de 10% para 15%;
  • Caiu o uso da calçada de 30% para 5%;

Os indicadores mostram que a estrutura cicloviária influenciou o comportamento das pessoas que utilizam as vias em Águas Claras de forma significativa e reforçam a necessidade de continuidade da implantação do projeto Mobilidade Ativa para todo o DF.

Uma importante variação observada foi o aumento de ciclistas utilizando a contramão da via, o que pode ser explicado, provavelmente, pela falta de infraestrutura cicloviária no sentido contrário ao da Av. Araucárias.

O próximo passo para a continuidade do projeto é a aprovação da sinalização da ciclofaixa da Av. Castanheiras pelo DETRAN/DF. Esta é uma ação fundamental para se oferecer à região uma malha cicloviária que atenda às necessidades de deslocamento da população.

Acesse o relatório completo aqui.

E veja as fotos da contagem de Águas Claras de 2016 aqui.

WhatsApp Image 2016-10-05 at 9.33.51 AM

Balanço do 8º Desafio Intermodal 2016

Tendo como ponto de partida a QE 7 do Guará I e chegada no Museu Nacional, o Desafio Intermodal contou com a prática de 12 modalidades de transporte, que fizeram percurso de 14 km.

A saída aconteceu às 7:43 da manhã desta segunda feira. Foram 26 voluntários participando do Desafio, distribuídos em 12 modalidades.

Assim como nas edições anteriores do Desafio Intermodal, a bicicleta se destacou como meio de transporte mais eficiente. Já a moto contou com o melhor tempo médio (21:03) no deslocamento. Entretanto, devido à alta emissão de poluentes, a moto perdeu muitas posições, ficando em 7º no ranking geral.

Para um dos participantes, que era cadeirante, o desafio começou antes mesmo que ele chegasse ao ponto de partida. A falta de acessibilidade na cidade fez com que a mobilidade do cadeirante fosse prejudicada, fazendo com que ele se atrasasse para chegar ao local marcado e ficasse de fora do Desafio.

O participante que foi de carona, mesmo tendo que pegar dois veículos diferentes, conseguiu chegar antes de quem foi de metrô (41:43) e ônibus (56:40), tendo feito todo o percurso em 39:11.

O ônibus teve um melhora em relação aos outros anos, já que seu desempenho caía constantemente . A melhora de tempo foi de quatro minutos, se comparado ao ano passado em que percurso do ônibus levou 1h para ser feito. Nessa edição, o próprio Secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno, seu assessor Denis Soares e o Diretor Geral do DFTrans, Leo Cruz, participaram do Desafio fazendo o percurso de ônibus, e afirmaram que o desempenho pode melhor com a implantação de mais faixas exclusivas.

Juntamente com a bicicleta, a corrida e a carona foram os meios que tiveram o menor custo econômico.

Moto, carro, Uber e taxi apresentaram pior desempenho ambiental, por utilizarem combustível fóssil. Mesmo tendo velocidade acima dos outros meios de transporte, o fato ambiental e o custo econômico desses meios de transporte sugerem que eles não devem ser adotados de maneira prioritária pela população.

Abaixo segue a tabela com modalidades, notas e tempo médio:

desafio_resultado+2016

Reportagens:

Reportagem Correio Braziliense

Reportagem DFTV aqui

Reportagem RECORD:

 

Fotos:
álbum Flickr da Ramisa Nefertiti

álbum Flickr Rodas da Paz

fotos de Jéssica Pereira:

Mais um dia para se repensar o uso do carro

Renata Florentino, coordenadora geral da ONG Rodas da Paz
Mestre em Sociologia pela UnB

Brasília experimenta o final de seu período de seca com a incerteza sobre o abastecimento de água para sua população. No mesmo contexto de eventos climáticos, o inventário de gases de efeito estufa divulgado pelo próprio Governo de Brasília aponta que cerca de metade das emissões do DF tem origem nos meios de transporte. Somado a isso, são frequentes as notícias de aumento da frota e a banalização das áreas públicas sendo degradadas pelo uso improvisado como área de estacionamento irregular, dada a demanda insaciável por espaço que o automóvel possui. Assim chegamos ao Dia Mundial Sem Carro de 2016.

Há também notícias positivas no cenário. Desde 2005 o DF segue na tendência nacional de queda da violência no trânsito contra ciclistas. Em Águas Claras, onde se começou a implantar ciclofaixa na Avenida Araucárias, o número de ciclistas cresceu 40% em menos de um ano, conforme contagem de ciclistas feita no local. Isso mostra que a população quer mais alternativas de mobilidade sustentável, tem disposição e vontade, basta contar com um espaço urbano que ofereça segurança. Brasília tem que ter B de Bicicleta.

Temos fôlego e vocação para isso. Brasília é uma cidade plana que tem muito a ganhar se conseguirmos firmar a bicicleta como uma opção de mobilidade, que pode, inclusive, complementar as opções de transporte público entre as cidades do DF. Mas para isso, é preciso oferecer aos homens e às mulheres das nossas cidades a possibilidade de sair de casa de bicicleta e conseguir chegar até uma estação do BRT, ônibus ou metrô.

Mais bicicletas no trânsito ajudam a acalmar nossas ruas, para que sejam amigáveis a idosos, crianças, pessoas com deficiência, a toda a população, e não apenas aos automóveis.
Quanto mais habitada e viva, mais segura a cidade se torna. Podemos atrair mais gente para nossos espaços públicos, aumentando a qualidade de vida, se mudarmos para melhor o desenho urbano de nossas vias internas, com mais calçadas e cruzamentos adequados.

Ao mesmo tempo em que os benefícios de uma cidade viva e sustentável são conhecidos, há a persistência no erro em se anunciar obra faraônicas de incentivo ao uso do automóvel como solução para congestionamentos. Mais espaço para carros atraem mais carros para as ruas, como aconteceu na EPTG após a linha verde, que voltou a engarrafar muito antes do previsto. É preciso aprender com os erros e diversificar as opções de deslocamento para a população. Nesse sentido, é urgente a adaptação do projeto do Trevo de Triagem Norte, para que seja uma obra mais sustentável em termos ambientais e de mobilidade.

O Código de Trânsito já é velho conhecido da população e a Política Nacional de Mobilidade Urbana já está em vigor há quatro anos. Precisam sair do papel. Só assim as pessoas e a vida terão a preferência.

Sabemos que avançar nesse cenário requer que governo e sociedade trabalhem juntos, mas exige também que o governo articule todos os seus órgãos, secretarias e administrações regionais na mesma direção: um futuro melhor para todas as cidades do DF.

TTN: solução ou cilada?

Desde o final de 2015 o GDF vem anunciando a retomada da obra do Trevo de Triagem Norte (TTN), que inclui a Ponte do Bragueto, como uma de suas grandes realizações no campo da mobilidade urbana. A obra vem sendo apresentada como uma medida que vai diminuir o congestionamento na saída norte de Brasília, supostamente beneficiando quase 200 mil pessoas. Será mesmo que oferecer mais espaço para carros resolve algum problema?

O empreendimento faz parte do programa Circula Brasília, lançado em maio de 2016 como “um programa executivo de Estado que dá prioridade a investimentos no transporte coletivo e no não motorizado”.

Veja aqui algumas dúvidas comuns sobre o projeto do TTN.

1 – A ampliação da via vai beneficiar a população diminuindo os congestionamentos?
Esse é um mito que precisa ser quebrado.Soluções de mobilidade focadas na construção de mais vias tem como resultado atrair mais pessoas para o uso do carro. O efeito de “melhorar o trânsito” acaba fazendo com que pessoas que evitavam usar o carro naquela via passem a usar o automóvel, fazendo com que em pouco tempo a obra perca seu efeito, num ciclo infinito de demanda insaciável por mais espaço viário. Este processo já está mais do que comprovado. Inclusive, vários especialistas criticaram o foco rodoviarista da obra em reunião de julho do Conselho Consultivo de Preservação e Planejamento Territorial e Metropolitano do Distrito Federal, em ocasião que o atual Secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno, se comprometeu a revisar o projeto (veja a ata aqui)

Organograma - versão final-2

Com o aumento da capacidade viária, o fluxo de veículos aumenta também, saturando a via e trazendo o congestionamento de volta muito antes do que se imagina. Basicamente, a escolha é entre ficar congestionado em 3 faixas ou em 5. Esse processo aconteceu no mundo inteiro, havendo exemplos brasileiros bem conhecidos como a EPTG após a obra da linha verde e a ampliação da Marginal em São Paulo. Obras milionárias que incentivam ainda mais a utilização do automóvel contra a tendência mundial de diminuir seu uso não podem ser mais aceitas pela população. A prioridade de investimento do Estado visando a mobilidade urbana deve ser nos transportes coletivos e não motorizados.

2. Precisa de ciclovia e calçada ali? Ninguém vai passar ali!
Essa afirmação não é verdade. Acontece que quando circulamos de carro pela cidade muitas vezes não percebemos a presença dos outros usuários da via. A Rodas da Paz fez uma contagem de ciclistas na Ponte do Bragueto em 2015, para atualizar os dados do DER de 2010, e o crescimento no volume de viagens feitas de bicicleta no local aumentou cerca de 150%, mesmo sem nenhuma melhoria para incentivar o uso da bicicleta por lá. Ou seja, a demanda já existe e a tendência é de crescimento do uso da bicicleta na região, assim como em toda a cidade.Por isso,há a necessidade de se facilitar os trajetos e garantir segurança para ciclistas na travessia da ponte e na implantação do TTN como um todo. Nenhuma cidade no mundo conseguiu resolver seus problemas de deslocamento sem investir em infraestrutura para ciclistas e pedestres e em transporte público.

Da forma como o projeto foi concebido, para sair do final da Asa Norte até o início do Lago Norte, o percurso de carro ocorre sem interrupções e é 78% menor do que o trajeto para quem usa a bicicleta ou caminha. Além disso, ciclistas e pedestres enfrentarão 2 travessias em nível com a malha rodoviária e uma rampa para acessar uma interseção em desnível, sendo “dada prioridade ao tráfego de veículos automotores”, segundo o próprio relatório do DER.
Outra informação que comprova a necessidade de calçadas e de travessias seguras e eficientes é a de que diariamente mais de 1.000 pedestres cruzam o Eixão Norte na região do TTN, segundo o Estudo de Segurança de Pedestres do Eixo Rodoviário, realizado pelo DER/DF em 2007. Apesar disso, o projeto proposto previu apenas uma travessia, 750 metros distante da passagem subterrânea da 15 Norte.

3. Existem nascentes no local da obra?
As vias projetadas passarão adjacentes às nascentes e olhos d’água localizados ao longo da atual L4. Uma delas, a Nascente Ibiraci, em recuperação graças ao trabalho de dez anos de voluntários, teve cerca de metade da sua vegetação protetora suprimida pelos trabalhos iniciais da obra, mesmo após a garantia dada pelo Diretor do DER de que as nascentes seriam preservadas. Imagens do início da construção de Brasília indicam que a região é uma área de relevante biodiversidade, possuindo uma rica camada vegetal que se mantém por conta desses fluxos de água, desde aquela época.

Duas das nascentes serão atingidas diretamente pelo rebaixamento do lençol freático, como apontado pelo Relatório de Impacto Ambiental (RIMA). Isso será causado pela escavação do terreno para passagem das vias por baixo do Eixo Norte, onde serão construídos três novos viadutos. De acordo com informações dos engenheiros do DER durante visita ao local, o lençol freático encontra-se a 3 metros de profundidade, enquanto as escavações chegarão a 5 metros, fazendo a água do lençol drenar para dentro da obra, em vez de aflorar nas nascentes. Também não há informações sobre como será resolvido o problema de escoamento da água.

4. Existem alternativas mais eficientes para esse problema?
A obra, como foi inicialmente proposta, não parece ser a mais econômica para os cofres públicos. O projeto está superdimensionado e fica claro que soluções mais práticas e com custo menor poderiam ser implementadas, como nessa proposta alternativa feita pelo movimento #RepensePontanorteTTN - Proposta Alternativa 2

 

 

.

Assine Aqui o abaixo assinado: http://migre.me/v1rUC

 

Semana da mobilidade – aproveite sua cidade sem carros!

A semana da mobilidade de 2016 está recheada de atividades, ocupando as cidades do DF e valorizando as pessoas e os espaços públicos. Confira a agenda e nos encontre nas ruas nos próximos dias! Tem Cine Pedal, ocupação do Setor Comercial Sul, papo cabeça e muito mais! Se souber de mais atividades e quiser divulgar aqui, avise no [email protected] 😉

17/9 sábado – 9-17h – Pimp my bike
Cidade Estrutural – próximo ao postinho da PM
A Estrutural é conhecida como uma das cidades do DF que mais utiliza a bicicleta no dia a dia, e vamos valorizar esses ciclistas cotidianos com ações de reparos simples em suas bicicletas, distribuição de brindes e oficina de conhecimento das rotas mais feitas dentro da Cidade Estrutural!
Organização: Rodas da Paz, DETRAN e SEMOB

18/9 domingo – 9-14h – Abertura Semana Nacional do Trânsito 
TaguaParque
A abertura formal da Semana Nacional do Trânsito acontece em Taguatinga, com a participação de todos os órgãos que trabalham com segurança no trânsito no DF. Veja aqui todas as atividades que os órgãos do GDF irão promover: cronograma de ações.
Organização: Governo de Brasília

 21/9 quarta – 16-20h – Holanda de bike com Brasília
Universidade de Brasília – CEFTRU
A Embaixada da Holanda, país tão famoso pelo uso intenso da bicicleta, oferece um seminário para debater várias ideias ligadas a mobilidade sustentável.
Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/579643658887080/
Organização: Embaixada da Holanda e Bicicleta Livre (UnB)

22/9 quinta 
6:50-7:20 – Bonde de bike para UnB
Estudantes da UnB organizam bbonde de bike, saindo da Rodoviária do Plano, em direção ao campus Darcy Ribeiro – UnB. A concentração começará por volta das 6.50 próximo a fila do 110, na plataforma inferior. Sairemos pontualmente às 7.20, chegando às 8h na entrada do ICC norte (Ceubinho).
Evento: https://www.facebook.com/events/1755798491358003/
Organização: Bicicleta Livre

7h-19h – Centro Vivo 
Setor Comercial Sul
Esse ano vai acontecer uma edição ampliada da Vaga Viva. É uma proposta de intervenção Urbana que provoca a reflexão sobre o uso do espaço urbano pelo carro, mostrando que serviços podem ser oferecidos para a população no espaço que geralmente é utilizado para estacionamento. Saiba como organizar uma vaga viva nesse guia.
Organização: SEMOB, DETRAN, DER

23/9 sexta – 18h – Bicicletada Dia Mundial Sem Carro
Museu Nacional
Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/307001326338832/
Organização: Embaixada da Holanda

24 e 25/9 – 17-21:30 – CINE PEDAL
Festival Cine Brasil Pedal é aberto ao público e ocorre nos dias 24 e 25. Enquanto as sessões acontecem, público pedala para produzir energia. Além de Brasília, Goiânia, Salvador, Recife e Natal recebem o festival simultaneamente. Para participar, é preciso fazer credenciamento no local ou pelo site do evento. A organização vai disponibilizar dez bicicletas fixas e mais dez bases para que o público encaixe as próprias bicicletas.
Organização: DETRAN

26/9 segunda  7h – Desafio Intermodal
saída do McDonald’s do Guará, chegada no Museu Nacional
Desafio Intermodal avalia quais os meios de locomoção mais eficientes no meio urbano num dia comum. A proposta não é apenas medir a velocidade e quem chega primeiro, é avaliar o custo ambiental, econômico e social de cada meio de transporte. Em 2015 teve moto, carro, táxi, uber, carona,  ônibus, bicicleta dobrável, bicicleta speed, metrô, bicicleta e metrô, pedestre e corrida.
Evento no facebook: https://www.facebook.com/events/872153202850610/
Organização: Rodas da Paz

Dia do Ciclista: Missa em homenagem a Pedro Davison

O dia do Ciclista, celebrado no dia 19 de agosto, é motivo de inspiração para várias lutas em defesa da mobilidade sustentável, do trânsito seguro e da cidadania. A história da data traz uma reflexão sobre a violência no trânsito. Nesse dia aconteceu o atropelamento criminoso de Pedro Davison, no Eixão Sul, em sua faixa central não permitida ao uso dos carros, por um motorista em alta velocidade, embriagado, sem habilitação e que fugiu sem prestar socorro.

A luta da família de Pedro em busca de justiça tornou a data conhecida no país inteiro, e o motorista foi condenado pelo crime, está atualmente cumprindo pena. Nessa sexta feira, a família convida a todos que se sentirem identificados com a história a participar da homenagem religiosa que será realizada pelos dez anos de sua perda.

Missa em homenagem a Pedro Davison, sexta-feira, dia 19 de agosto, às 19h, na Catedral Rainha da Paz, Eixo Monumental.

Promoção no instagram: concorra a 5 kits do Passeio!

promoção
Poste uma foto com sua bicicleta no instagram usando as hashtags #diadociclista e #rodasdapaz e concorra a 5 kits do 14º Passeio Ciclístico Rodas da Paz! As fotos publicadas entre quarta e sexta feira estão participando da promoção!

O kit é composto de:
1 camiseta
1 squeeze
1 voucher para refeição no restaurante Greens
1 kit de adesivos sortidos da Rodas da Paz

Vai ter camiseta nesse passeio?

camisetas_frente

Modelo da camiseta 2016: verde para participantes, laranja para batedores e lilás para organização

Calma! Vai ter sim a tradicional camiseta do Passeio Ciclístico da Rodas da Paz! Só que rolou uma mudança para 2016!

O que rolou ?

No Passeio da Rodas esse ano, a  diferença é que, além das camisetas gratuitas, distribuídas para as 100 primeiras pessoas inscritas, quem quiser pode adquirir a sua camiseta do Passeio por um valor simbólico de 10 reais (abaixo do custo de produção).

Quem deu este preço?

Chegamos nesta ideia de vender a camiseta e no preço sugerido a partir de uma pesquisa realizada com quem pedalou no ano passado com a gente.

Mais de 60% das pessoas avaliaram que vender a camiseta era uma boa opção, para evitar as longas filas sem a certeza de conseguir o esperado brinde no final. Além disso, o valor arrecadado ajuda a cobrir parte dos custos do passeio, que é quase todo feito de forma voluntária.

Mais de 100 camisetas foram vendidas apenas no primeiro dia de inscrição. Esta colaboração vai nos ajudar e muito a fazer o Passeio com cada vez mais qualidade.

Começamos a divulgar o Passeio 2016 na semana passada e as inscrições já passaram de 1.500 (ebaaa \o/). Quem quiser ter a camiseta agora já pode reservar a sua no link abaixo.

Como posso comprar a camiseta do 14º Passeio Rodas da Paz?

Vendas on-line encerradas. Atenção: as camisetas não serão enviadas pelo correio. Elas serão entregues na véspera do passeio (sábado 20/08).

Pela nossa experiência, acreditamos que elas podem esgotar antes do passeio, mas se sobrar algumas, a gente avisa e vende ao vivo no domingo, tá?

O Passeio agora vai ser sempre assim?

A gente tem um sonho: ver 5, 10 mil pessoas vestindo a camisa da Rodas da Paz no dia do nosso Passeio Anual. Nossa realidade, porém, é bem diferente. A cada ano cresce o número de participantes e isso é lindo. O que a gente queria mesmo era a cidade toda pedalando junto.

O problema é conseguir um apoio financeiro proporcional que assegure camiseta gratuita para todos os participantes. Este apoio financeiro não está crescendo junto com o tamanho do evento. Não sabemos se vai ser sempre assim. Estamos testando esta estratégia de ampliar o acesso à camiseta sem ampliar os já altos custos do Passeio.

Em 2015, foram mais de dez mil participantes; e se todos tivessem camiseta grátis ao custo de 10 reais, seria necessário levantar mais de R$ 100 mil só para isso. Já pensou? Pra atual realidade da Rodas da Paz, isso é muito dinheiro.

Depois, envia sua avaliação pra gente conhecer a sua opinião.

Além do custo da camiseta, quais os outros gastos para organizar o Passeio?

Além das camisetas, o Passeio envolve gastos com:  contratação de ambulância, banheiros químicos, carro de som, atividades para crianças, produção de materiais gráficos, etc.

A maior parte dos serviços prestados são totalmente voluntários, e sem isso a gente não poderia nem sonhar em fazer o evento (organização, divulgação, registro fotográfico, batedores, carros de apoio, entre outros).

Viva a colaboração de voluntários, que acreditam que é possível e necessário promover o uso da bicicleta em Brasília!!!

Posso ir ao Passeio da Rodas sem camiseta?

SIM, o passeio continuará sempre gratuito e aberto a todos! O que  esperamos é que, com ou sem camiseta (você pode optar por não comprar), você participe e continue vestindo a camiseta “simbólica” da Rodas da Paz, participando das atividades que realizamos o ano todo. Só assim a ONG pedala pra frente e a nossa luta comum pela paz no trânsito pode avançar. Vejas as atividades que a Rodas da Paz fez ao longo de 2015.

Ato simbólico pela instituição do Dia Nacional do Ciclista é realizado na Câmara

Nessa quarta feira (10/8), entidades e parlamentares promoveram ato simbólico em defesa do Projeto de Lei que institui o Dia Nacional do Ciclista, no CEDES, Centro de Estudos e Debates Estratégicos da Câmara dos Deputados. O ato contou com a presença da União dos Ciclistas do Brasil, da Rede Bike Anjo, servidores do Ministério das Cidades, familiares de Pedro Davison, representantes da ONG Rodas da Paz e dos parlamentares Lúcio Vale (PR/PA) e Izalci Lucas (PSDB/DF). O Projeto de Lei foi protocolado sob número 5.988 e sua tramitação poderá ser acompanhada pelo site da Câmara em breve.

28615080440_3e50c7e827_o

Apesar de ainda não estar no calendário oficial, o Dia Nacional do Ciclista já é uma data celebrada em todo o país. A Rodas da Paz organizou clipping onde se vê a dimensão da adesão a data, por parte de figuras públicas, empresas, grupos de pedal, parlamentares e órgãos públicos. São mais de 200 páginas que foram entregues na Câmara em 30 de junho por Pérsio Davison, pai do ciclista homenageado na data, e Beth Veloso, fundadora da ONG Rodas da Paz e servidora da Câmara. O material foi entregue a Paulo Mota, Chefe de Secretaria do CEDES, e a Gabriel Gervásio Neto, consultor legislativo que fez o texto de justificativa do PL.

persio_CD_DiadoCiclista

Ainda na quarta feira 10/8, mais de 20 parlamentares se colocaram como signatários do Projeto de Lei, todos os deputados membros do CEDES como mais quatro representantes que aderiram à causa, grifados em ítalico. Foram eleitos de norte a sul do país e são de todas as matrizes partidárias, reforçando o caráter plural da questão da mobilidade por bicicleta, conforme se lista a seguir:

Lúcio Vale (PR-PA)
Augusto Carvalho (SD/DF)
Ariosto Holanda (PROS/CE)
Beto Rosado (PP/RN)
Capitão Augusto (PR/SP)
Capitão Sabino (PR/CE)
Carlos Melles (DEM/MG)
Cristiane Brasil (PTB/RJ)
Edmilson Rodrigues (PSOL-PA)
Evair de Melo (PV/ES)
Felix Mendonça Júnior (PDI/BA)
Galuber Braga (PSOL-RJ)
Izalci (PSDB-DF)
Jaime Martins (PSD/MG)
JHC (PSB/AL)
Luiz Lauro Filho (PSB-SP)
Osmar Terra (PMDB-RS)
Paulo Henrique Lustosa (PP/CE)
Paulo Teixeira (PT-SP)
Pedro Uczai (PT/SC)
Profª Dorinha Seabra Rezende (DEM/TO)
Remídio Monai (PR-RR)
Rômulo Gouveia (PSD/PB)
Ronaldo Benedet (PMDB-SC)
Ronaldo Nogueira (PTB/RS)
Rubens Otoni (PT-GO)
Valmir Prascidelli (PT-SP)
Vitor Lippi (PSDB-SP)

E ainda, diversas entidades de todo o país manifestaram apoio à proposta, como se vê abaixo:

Grupo Cidade UF
Associação Bike Anjo Nacional BR
Clube de Cicloturismo do Brasil Nacional BR
Instituto MDT Nacional BR
ITDP Internacional BR
União de Ciclistas do Brasil Nacional BR
Associação Ciclística Pedala Manaus Manaus AM
Associação Alternativa Terrazul Fortaleza/Brasília CE
BiciCentro Comunitário Mercado Sul Vive Taguatinga DF
Movimente e Ocupe seu Bairro Brasília DF
Movimento Nossa Brasília Brasília DF
Tribo Lobo Guará Guará DF
Turma do Pedal de Vila Velha Vila Velha ES
BH em Ciclo Belo Horizonte MG
STAFF SALVE JORGE Belém PA
Ameciclo Recife PE
Ciclocidade São Paulo SP

A expectativa é que o PL cumpra sua tramitação na Câmara ainda este ano, para seguir ao Senado e terminar a atual legislatura já tendo sido aprovado em plenário. O tema do Passeio Anual da Rodas da Paz de 2016 é justamente a celebração dos 10 anos do Dia Nacional do Ciclista, pautando as conquistas da última década relacionadas a mobilidade sustentável e segurança no trânsito.

Cicloativistas presentes no ato

Cicloativistas presentes no ato

28824646821_b2f7a711a7_o

Família de Pedro Davison: Beth e Pérsio (pais) e Luiza (filha)

Deputados Izalci (PSDB/DF) e Lucio Vale (PR/PA) assinando o PL

Deputados Izalci (PSDB/DF) e Lucio Vale (PR/PA) assinando o PL

Edmilson Rodrigues (PSOL/PA)

Edmilson Rodrigues (PSOL/PA)

Glauber Braga (PSOL/RJ)

Glauber Braga (PSOL/RJ)

14º Passeio anual da Rodas da Paz: todo dia é dia do ciclista!

Banner facebook_14 passei - Rodaspng

Vem aí o Passeio Rodas da Paz. As inscrições estão abertas a partir desta segunda-feira (8/8), são gratuitas e podem ser feitas pela página www.rodasdapaz.org.br.

O tema desse ano é todo dia é dia do ciclista! As 100  primeiras pessoas que se inscreverem ganharão a camiseta do evento, que poderá ser adquirida por R$10 reais.

A ONG Rodas da Paz realizará mais uma edição do seu tradicional passeio ciclístico no dia 21 de agosto de 2016. Além do percurso tradicional até à Ponte JK, haverá pela terceira vez o circuito menor na Esplanada, especialmente para as famílias que irão pedalar com crianças pequenas, o Passeio Rodinhas da Paz!

Todo ano, o evento reúne milhares de ciclistas. Trata-se de um momento importante de garantir visibilidade para a causa da mobilidade sustentável e da paz no trânsito e também para reforçar o compromisso do governo com melhorias nas condições de mobilidade da população.

O passeio se transforma numa verdadeira festa, que conta com a presença de ciclistas de todas as idades. Além disso, é gratuito, aberto para toda população do Distrito Federal e região metropolitana e independe da inscrição prévia, mas apenas os inscritos participam de sorteios e recebem informações da organização do passeio.

FAÇA SUA INSCRIÇÃO!

===================================================
SAIBA MAIS SOBRE O TEMA DO PASSEIO 2016
TODO DIA É DIA DO CICLISTA
====================================================

Este ano, Rodas da Paz pedala pela oficialização do Dia Nacional do Ciclista, comemorado em todo o país no dia 19 de agosto. É a data que movimenta as capitais do Brasil e centenas de cidades, todos os anos, há dez anos, mas que ainda precisa ingressar, formalmente, nas datas comemorativas do calendário do Brasil.

O Dia Nacional do Ciclista alude ao crime de violência no trânsito ocorrido em Brasília, em 19 de agosto de 2006, que tirou a vida do jovem biólogo Pedro Davison. O atropelamento ocorreu numa via de 80km/h localizada em área urbana, o Eixão, por um motorista embriagado, acima da velocidade e que transitava numa via interditada para automóveis, a via central do Eixo Rodoviário. O caso de Pedro se tornou conhecido pelas grandes mobilizações feitas a época cobrando a punição do motorista responsável, Leonardo Costa. Num país em que 50 mil pessoas morrem pela violência no trânsito de forma banal e geralmente impune, a condenação de Leonardo Costa por homicídio com dolo eventual se tornou símbolo da luta por justiça e cidadania, para que as vidas tenham valor não importando como se desloquem no espaço urbano. É, portanto, uma data em defesa da cidadania. Comemorada no Brasil, de origem brasiliense.

Embora já seja celebrada e reconhecida em todo o país, a data não está oficializada. Acreditamos que esse reconhecimento pode criar novas oportunidades para promover a educação para a paz no trânsito, a promoção do uso da bicicleta, a cidadania e a mobilidade plural em nível nacional.

O projeto que definia o Dia do Ciclista tramitou na Câmara dos Deputados durante duas legislaturas. Ele havia sido aprovado em todas as comissões na legislatura passada, mas, por não ter sido incluído na pauta de votação do Plenário da Câmara, foi arquivado.

Em julho, Rodas da Paz encaminhou à Câmara dos Deputados um pedido de reconhecimento desta data no calendário nacional. O pedido foi encaminhado por meio do Centro de Estudos e Debates Estratégicos (Cedes) da Câmara dos Deputados, para que a data passe a ser reconhecida oficialmente, pois o mais importante já ocorreu: a data foi abraçada pela população brasileira, que leva a bicicleta cada vez mais a sério.

O Centro de Estudos e Debates Estratégicos é órgão integrante do sistema de consultoria e assessoramento institucional unificado da Câmara dos Deputados e diretamente jurisdicionado ao Presidente da Casa. O Cedes oferece embasamento técnico-científico necessário ao planejamento de políticas e ao processo decisório no âmbito da Câmara.

Junto ao pedido encaminhado ao Cedes, Rodas da Paz anexou um dossiê sobre o Dia do Ciclista, com as comemorações feitas em 2015, com mais de 200 páginas de notícias da grande mídia, blogs e publicações de entidades públicas e celebridades de todo o país em comemoração a data, acompanhado de uma lista de instituições que apoiam a proposta.

Venha pedalar com a gente! Todo dia é Dia do Ciclista!

Serviço: Passeio Anual Rodas da Paz 2016
Concentração: a partir das 8h do dia 21/08 (domingo)
Local: Em frente ao Museu Nacional
Trajeto tradicional: Museu Nacional, Esplanada, Ponte JK |17km
Trajeto Rodinhas da Paz: Duas voltas na Esplanada |2,5km
Inscrições: www.rodasdapaz.org.br até 18 de agosto
Fotos do Passeio de anos anteriores para divulgação: circuitos tradicional e rodinhas
Realização: Rodas da Paz
Patrocínio: Conjunto Nacional, Instituto Sabin e Grupo Ágil
Apoio: Administração Regional de Brasília, GDF, Cultura FM, Escola VitaBhaya Yôga, Greens,  Sindicato da Habitação no Distrito Federal, Transamérica, Gomão Bikes, Teatro Mapati e MedLife

PERCURSO TRADICIONAL

Percurso adulto

PERCURSO RODINHAS DA PAZ

Percurso infantil

Spot de 16s:

 

Spot de 26s:

PROGRAMAÇÃO DA IV FORMAÇÃO DE VOLUNTÁRIOS RODAS DA PAZ

PROGRAMAÇÃO DA IV FORMAÇÃO DE VOLUNTÁRIOS RODAS DA PAZ

Sábado 6/8
8h30-9h – Concentração das caronas na estação 102 Sul e saída para o local da formação
9:30h-10h – Boas vindas e apresentação dos participantes
10:30h-12h – Apresentação sobre o cenário da mobilidade no DF e a atuação da Rodas da Paz
12h30-14h – Almoço
14h-15h – Prof David Duarte Lima (UnB): mobilidade ativa, saúde e vida moderna
15h-16h – Silvio Moraes, ciclista e morador de Águas Claras: desafios culturais e políticos na implantação das ciclofaixas de Águas claras
16h30-17h – Intervalo do cafézinho
17h-18h – Paulo Aguiar, Grupo Pedala Manaus (AM): Cenário para a promoção do uso da bicicleta em Manaus e a atuação do Pedala Manaus
19h – Jantar e definição dos grupo de voluntários entre as atividades práticas para domingo
20h – Ciclocine: diversos curta metragens sobre bicicleta e mobilidade

Domingo 7/8
8h-8h30 – café da manhã e saída para as atividades práticas
9h-12h – atividades práticas (vistoria na obra do Trevo de Triagem Norte e contagem de ciclistas no Eixo Monumental)
12h30 – retorno para local da formação
13h-14h – Almoço (vídeos rolando entre 13h e 13h30 para quem quiser assistir)
14h- Rodas da Paz: apresentação do planejamento 2016, acordo de trabalho, tarefas urgentes para organização do Passeio Anual e celebração dos 10 anos do Dia Nacional do Ciclista
17h – Encerramento

Moradores e entidades fazem abaixo assinado sobre obra na Saída Norte

Moradores do final da Asa Norte e entidades estão mobilizados em relação à qualidade ambiental da obra do Trevo de Triagem Norte. Além de diversas ações, os moradores estão com abaixo assinado online pedindo que o Governador Rodrigo Rollemberg repense a concepção da obra, que é caracterizada por viés rodoviarista e com impacto ambiental a nascentes localizadas na área. Apoie o movimento e assine aqui o abaixo assinado!

A comunidade já apresentou suas dúvidas em relação ao projeto num documento entregue à Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente, do MPDFT, e montou um blog para compartilhar notícias sobre a mobilização.

Em novembro de 2015 a Rodas da Paz apresentou ao DER relatório onde mostrava que a obra do TTN não atendia à legislação de mobilidade vigente, como o Plano Diretor de Transporte Urbano do DF, de 2011, e a Política Nacional de Mobilidade Urbana, de 2012, pois o projeto havia sido elaborado antes da vigência dessas leis e não foi suficientemente adaptado posteriormente. Acesse aqui o relatório e veja a ação feita no Lago Paranoá para divulgá-lo.

ponte

concepção do projeto do TTN é obsoleta, por priorizar o uso do automóvel

Em resumo, a concepção do Trevo de Triagem Norte parte da premissa que ampliando o espaço destinado a circulação de automóveis os congestionamentos serão reduzidos, o que já se sabe que não se confirma na realidade, pois essas obras acabam incentivando ainda mais a adoção do carro como meio de transporte e trazendo mais veículos para as vias, aumentando os congestionamentos rapidamente, como ocorreu na Marginal em São Paulo. Dado o curto período em que de fato essas obras “melhoram” o trânsito, o alto custo não se justifica, tendo em vista os baixos benefícios para a sociedade e as externalidades negativas que causa.

Entre os impactos ambientais da obra estão nascentes localizadas na área que podem ser afetadas, num contexto que os recursos hídricos são considerados especialmente importantes e merecedores de preservação no mundo e em Brasília, conhecida pelos períodos de estiagem e que receberá em breve o Fórum Mundial das Águas. Em termos de mudança climática, o inventário de emissões de gases de efeito estufa divulgado pelo próprio GDF em 2016 mostra que no DF 49% das emissões são originadas pelo setor de transporte, muito acima da média nacional, que é de 22%, o que deveria orientar o GDF a justamente desincentivar e não incentivar o uso do automóvel com obras milionárias.