Balanço Desafio Intermodal 2017 – veja os destaques

Tendo como ponto de partida a QE 7 do Guará I e chegada no Museu Nacional, o Desafio Intermodal contou com a prática de 12 modalidades de transporte, que fizeram percurso de 14 km.

Assim como nas edições anteriores do Desafio Intermodal, a bicicleta se destacou como meio de transporte mais eficiente. Já a moto contou com o melhor tempo médio, (22:50), tendo a bicicleta fixa feito o segundo melhor tempo (24:10). Entretanto, devido à alta emissão de poluentes, a moto perdeu muitas posições, ficando em 9º no ranking geral, perdendo duas posições em relação ao ano passado. A moto foi ultrapassada pelo cadeirante no ônibus e metrô+bicicleta em relação a 2016 nos quesitos custo e impacto ambiental.

Pela primeira vez em 6 anos, o ônibus fez um tempo melhor que o metrô. O ônibus melhorou em 10 minutos seu desempenho em relação ao ano passado, tendo reduzido de 56 minutos para 46 minutos, quebrando a tendência de aumento na demora que estava sendo detectada nas outras edições do desafio.

Este ano o cadeirante conseguiu participar do desafio, numa experiência mais positiva que em 2016, quando não houve possibilidade de embarque no metrô devido a lotação. O cadeirante no ônibus chegou ao mesmo tempo que quem fez a integração bicicleta+ônibus.

O participante que foi de carona, mesmo tendo que pegar três veículos diferentes, conseguiu chegar antes de quem foi de metrô (50min) e ônibus (46min), tendo feito todo o percurso em 43:33.

Juntamente com a bicicleta, a corrida e a carona foram os meios que tiveram o menor custo econômico.

Moto, carro, e taxi apresentaram pior desempenho ambiental, por utilizarem combustível fóssil. Mesmo tendo velocidade acima dos outros meios de transporte, o fato ambiental e o custo econômico desses meios de transporte sugerem que eles não devem ser adotados de maneira prioritária pela população.

Abaixo segue a tabela com modalidades, notas e tempo médio:

2 ideias sobre “Balanço Desafio Intermodal 2017 – veja os destaques

  1. Michel Venzi

    Este desafio Intermodal Rodas Da Paz em Brasília foi muito bom, eu fico grato pelo pessoal que se doou para que o evento acontece-se de acordo com o previsto, sem contratempos e acidentes.
    Bom demais.

    Responder
  2. ferreira

    Estou pesquisando engenharia de tráfego e estou pesquisando aspectos diversos sobre diferentes modos. Gostaria de encontrar material a respeito do veículo bicicleta e outros modos ativos (aspectos como limites seguros de velocidade, resistência a impactos, aceleração e frenagem, tempos médios de reação, quanto é visível nas vias, pegada ambiental e outros relevantes).

    Obs: Olhando a tabela, vi que a bicicleta teve uma velocidade média de uns 35km/h. Como é velocidade média e certamente durante a viagem a bicicleta teve de parar em cruzamentos e realizar travessias, a velocidade máxima em alguns trechos certamente foi superior a 50 ou 60km/h, o que me parece uma velocidade bem alta para bicicletas. Qual a velocidade máxima considerada razoável para uma bicicleta, independentemente da via em que circula? (para ilustrar, por melhor que seja uma estrada, esteja de dia e mesmo que eu esteja sozinho naquela via, qualquer velocidade acima de 130km/h é bem perigosa. acima disso só um veículo próprio e com um piloto profissional).

    Grato!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *