A velocidade não compensa

A velocidade não compensa

por David Duarte Lima, presidente do Instituto Paz no Trânsito, professor do Departamento de Saúde Coletiva da UnB e fundador da ONG Rodas da Paz

A velocidade é um dos principais fatores de acidentes de trânsito. Sabe-se, por exemplo, que quando se passa de 70 Km/h para 90 Km/h o risco de acidente fatal é multiplicado por dois. Ou seja, no caso citado, um aumento de 28,6% na velocidade implica num aumento de 100% no risco de acidente. Quando passamos de 70 Km/h para 100 Km/h, esse risco é multiplicado por três.

Uma experiência realizada na Alemanha com dois motoristas mostrou alguns aspectos interessantes. Ambos percorreram mil milhas (1609 Km) seguindo o mesmo percurso. O primeiro motorista tinha a missão de chegar ao final do trajeto o mais rápido possível. Ao segundo, por outro lado, foi ordenado seguir o fluxo de veículos no mesmo ritmo, correndo o mínimo de riscos.

Os resultados dessa experiência nos convida à reflexão.

O motorista intrépido dirigiu durante 20 horas e 12 minutos, ultrapassou 2004 veículos, foi ultrapassado 13 vezes e teve de frear 1339 vezes. O motorista prudente dirigiu durante 20 horas e 43 minutos, ultrapassou 640 veículos, foi ultrapassado por 142 e teve de usar o freio 652 vezes. Em resumo, o primeiro motorista correu três vezes mais risco que o segundo e ganhou com isso 31 minutos, ou seja menos 3% de tempo! Isso sem contar o maior desgaste do veículo, maior consumo de combustível, entre outros aspectos negativos.

A experiência descrita acima tem um valor relativo. Outras variáveis, como clima, maneira de dirigir, tipo de veículo, situação no tráfego, entre outras merecem ser consideradas, pois podem modificar os resultados.

E em Brasília, como isso acontece na prática? Bom, tomemos o caso do Eixo Rodoviário. Com base em dados internacionais, adaptados à nossa realidade, construí a tabela abaixo. Na primeira coluna temos diferentes velocidades desenvolvidas. Na segunda, temos o tempo de percurso das extremidades do Eixo Rodoviário até a Rodoviária (aproximadamente 6 quilômetros).  Finalmente, na terceira coluna temos os riscos aproximados de acidente fatal para cada velocidade, em relação a 60 Km/h.

Velocidade (Km/h) Tempo (min) Risco
60 6,0 1
70 5,2 1,4
80 4,5 2
90 4,0 3
100 3,6 5

A tabela mostra claramente que uma pessoa que está dirigindo a 100 Km/h corre cinco vezes mais risco de envolver-se num acidente fatal que aquela que dirige a 60 Km/h; a velocidade aumentou 67%, enquanto o risco de acidentes deu um salto estratosférico de 500%!

Outro aspecto é o tempo. Porque as pessoas correm? Para ganhar tempo, óbvio. Porém, é racional passar no “Eixão” a 120 Km/h? Faça as contas: ganhar dois minutos para chegar ao trabalho é extremamente importante? Lógico que não. Ricardo Semler diz que as pessoas deveriam aprender a medir o tempo por décadas. Além disso, como já observou o jornalista Alexandre Garcia, dirigir em velocidades razoáveis diminui muito o estresse. Resumindo: essa forma frenética de dirigir adotada por alguns motoristas, serve mais para aumentar os riscos e o entupimento das artérias do que ganhar tempo. Se ganhar dois minutos é importantíssimo para você, saia um pouquinho mais cedo.

No final de um ano, se todos se esforçarem, dirigindo em velocidades compatíveis e respeitando as leis de trânsito, o resultado será menos mortes, menos sofrimento. E não existe recompensa maior que a vida. Faça a sua parte.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.