Arquivo mensais:setembro 2015

Águas Claras pedala em defesa da Mobilidade Ativa

flyer_aguas_claras

Moradores de Águas Claras organizam para o próximo sábado, 03/10, mobilização reivindicando melhores condições de deslocamento para ciclistas e pedestres. Entre as reivindicações estão a construção de ciclovias, ciclofaixas e calçadas compartilhadas.

O evento “Pedal Águas Claras pela Mobilidade” tem como objetivo convidar a população a repensar as formas de deslocamento da cidade, além de cobrar a execução do Projeto Mobilidade Ativa, da Secretaria de Gestão do Território e Habitação – SEGETH.

Águas Claras é hoje a 8ª Região Administrativa com maior taxa de domicílios com automóvel, o que resulta em muitos congestionamentos na cidade. Em contraponto, a Estação Arniqueiras do metrô, localizada na mesma região, é a segunda estação com maior desembarque de ciclistas, estando atrás apenas da rodoviária.

Para o servidor público Sílvio Ribeiro, um dos organizadores do evento, essa mobilização servirá de exemplo não só para Águas Claras mas para outras cidades do DF. De acordo com Sílvio, além de reverter políticas públicas que privilegiam o deslocamento individual por automóvel, o projeto pode ajudar a criar uma nova consciência da população para a utilização de outros meios de transporte, gerando uma melhoria geral do deslocamento na cidade, que hoje é caótico.

O “Pedal Águas Claras pela Mobilidade” percorrerá as principais avenidas de Águas Claras, em um percurso total de 20 km.

“Pedal Águas Claras pela Mobilidade”

Data: 03/10/2015
Concentração: 08h30
Local: Sede da Administração de Águas Claras
Evento: https://www.facebook.com/events/413013992226084/
Percurso: Subindo a Avenida Castanheira e voltando pela Avenida Araucárias (duas voltas)
Localização da Administração Regional a partir da estação Arniqueiras:

ac_Adm_caminho

Rodas da Paz faz parceria com EcoCâmara para promoção da mobilidade sustentável

A Rodas da Paz fechou essa semana um termo de cooperação com a EcoCâmara – Comitê de Gestão Socioambiental da Câmara dos Deputados. O convênio prevê parceria para a promoção da mobilidade sustentável e incentivo ao uso da bicicleta como meio de transporte pelos servidores e visitantes da Câmara dos Deputados, no âmbito das ações e projetos já em execução pela Associação Rodas da Paz.

Renata Florentino, coordenadora geral da Rodas da Paz, fala sobre a importância da promoção da mobilidade sustentável

A parceria permitirá o acompanhamento da adoção da bicicleta como meio de transporte dos servidores da Câmara dos Deputados, por meio de indicadores a serem estabelecidos, além de  divulgar atividades de incentivo ao uso da bicicleta promovidas pela Rodas da Paz para seus servidores e realizar ponto de coleta de bicicletas do projeto Doe Bicicleta nas dependências da Câmara dos Deputados.

Um evento na Câmara dos Deputados celebrou a formalização do convênio na última terça (22/09), no Dia Mundial Sem Carro.

Por uma política territorial integrada

O Dia Mundial Sem Carro de 2015 foi celebrado no Distrito Federal com muitas atividades que pautaram de um jeito lúdico a mobilidade que a gente acredita. Mas enquanto estávamos nas ruas pedalando, fazendo a vaga viva, indo para o Cine Bike in, várias decisões de políticas públicas estão sendo tomadas no GDF. Além do aumento da tarifa do transporte coletivo (ônibus e metrô), várias secretarias serão agrupadas dentro do ajuste fiscal anunciado pelo governo.

As Secretarias de Gestão Territorial e Habitação, Meio Ambiente e Agricultura serão unificadas. Cada secretaria dessas é responsável por pautas que são fundamentais e complementares para a qualidade de vida da população do DF. Acreditamos que a partir do território se constroem as relações de ocupação e uso do espaço urbano, e a partir da nossa vivência nele que a questão da mobilidade, moradia, sustentabilidade e várias outras se constituem.

Como disse Milton Santos, um dos maiores geógrafos brasileiros: “O território é o chão e mais a população, isto é, uma identidade, o fato e o sentimento de pertencer àquilo que nos pertence. O território é a base do trabalho, da residência, das trocas materiais e espirituais e da vida, sobre os quais ele influi. Quando se fala em território deve-se, pois, de logo, entender que se está falando em território usado, utilizado por uma dada população. Um faz o outro, à maneira da célebre frase de Churchill: primeiro fazemos nossas casas, depois elas nos fazem… A idéia de tribo, povo, nação e, depois, de Estado nacional decorre dessa relação tornada profunda” . Por isso, aproveitamos o Dia Mundial Sem Carro e nos inspiramos para escrever uma carta a respeito dessa unificação das Secretarias, que você pode ler a seguir:

Brasília, 22 de setembro de 2015.

Ofício nº12/2015

À Sua Excelência o Senhor Rodrigo Rollemberg Governador do Distrito Federal

Senhor Governador,

O Dia Mundial Sem Carro, comemorado na data de hoje, tem origem na consciência de que a dependência do transporte em nossos carros constitui causa primeira de problemas cada vez mais presentes em nossas cidades, como o agravamento das questões ambientais, sociais e econômicas, trazendo crescente exclusão das pessoas aos usos da cidade, inibindo as possibilidades da mobilidade em seus diferentes modais, influindo diretamente na qualidade de vida das pessoas.

O chamamento à reflexão de como somos em nossas cidades, de que uso fazemos dos espaços urbanos, de sob quais imperativos são conduzidas as políticas públicas e aqui, em especial os investimentos para a mobilidade e a organização do espaço, conflui obrigatoriamente para o inquerir sobre que futuro estamos determinando com as ações até hoje adotadas de primazia ao transporte individual motorizado.

A ONG Rodas da Paz luta para que nossas cidades sejam cada vez mais apropriadas pelas pessoas, com políticas sensíveis à diversidade dos desejos de todos, respeitosas aos direitos da cidadania, aqui revelada pelo direito a uma mobilidade plural, atenciosa à vida, com segurança e que oferte qualidade de vida e bem-estar ao cotidiano das pessoas.

Entendemos, Senhor Governador, de que este entendimento sobre as políticas de desenvolvimento urbano constitui uma das linhas mestras da gestão de Vossa Excelência, rompendo com a dependência aos interesses constituídos no monoteísmo ao uso do transporte motorizado individual, tônica de muitos governos que o antecederam e que contribuíram para a degradação da qualidade urbana hoje presente nas cidades do Distrito Federal.

Sabemos da realidade financeira herdada de administrações anteriores, com o consequente imperativo na adoção de medidas de redução de gastos, racionalização e promoção de maior eficiência. Por mais razão, entendemos imperativa a preocupação de que a escolha dos titulares das secretarias tenha impressa as características de capacidade técnica, competência de gestão, experiência e habilidade na elaboração e condução de políticas que retornem Brasília e o Distrito Federal ao respeito aos paradigmas de sua criação, o atendimento às prementes necessidades atuais e o compromisso com as gerações futuras.

E é na singeleza desse entendimento que somos imbuídos a nos referir ao Secretário Thiago Andrade, titular da Secretaria de Estado de Gestão do Território e Habitação, e manifestar nosso respeito à competência, transparência e incentivo à participação da sociedade com que ele tem conduzido os assuntos pertinentes à sua área, entendendo que sua permanência como titular da SEGETH, em eventual reforma administrativa, constituirá a certeza de que os compromissos de Vossa Excelência na gestão do Distrito Federal serão realizados na plenitude de suas intenções e anseios da sociedade.

Atenciosamente,

Rodas da Paz

Saiba como foi o VII Desafio Intermodal: ônibus quase empata com corrida

XII DESAFIO INTERMODAL – Brasília 2015

Foi realizada hoje, dia 21 de setembro, a sétima edição do Desafio Intermodal de Brasília. O Desafio ocorre em várias cidades do Brasil, sempre em uma data próxima ao Dia Mundial Sem Carro e se propõe a avaliar a eficiência de diversos meios de transporte num trajeto tradicional da cidade. A proposta é avaliar não apenas o tempo gasto para se chegar ao destino final, mas também o custo monetário e a emissão de poluentes. Por isso, não basta chegar em primeiro lugar: o impacto ambiental e o peso do transporte no orçamento no final do mês também contam.

No total, 29 voluntários saíram no mesmo horário (7:15:00) da Qe 07 do Guará I até o Museu Nacional, num percurso que variou de 13 a 15kms, de acordo com o trajeto escolhido. Foram 15 modalidades de deslocamento avaliadas, incluindo deslocamentos mistos: Moto, Carro, Taxi, Ônibus, Metrô, carona, cadeirante no ônibus, Bicicleta Mountain Bike, Bicicleta Speed, Bicicleta Urbana, Bicicleta Urbana + Metrô, Bicicleta Dobrável + Ônibus, Bicicleta Tandem, deslocamento a pé (corrida e caminhada).

Levando em conta fatores como a emissão de poluentes por passageiro, a emissão de ruídos e o custo financeiro da viagem, a bicicleta mantém a liderança como meio mais eficiente, muito além do tempo de deslocamento, tendo diversos benefícios coletivos. Embora tenha feito o menor tempo, a moto tem custo significativo, emite mais poluentes e gera maior risco ao usuário.
Apesar de praticamente não haver estrutura cicloviária em boa parte do trajeto (EPTG), esta se confirma novamente como uma alternativa eficiente e viável. Nesse sentido, o uso da bicicleta deveria ser incentivado e estimulado por meio de políticas públicas de ampla dimensão.

O ônibus, apesar da licitação de renovação da frota, da tentativa de se racionalizar as linhas e do recente aumento na tarifa, vem apresentando piora no quesito tempo ao longo dos anos. Em 2013 o ônibus levou 44 minutos no trajeto Guará 1 – Museu Nacional, em 2014 aumentou para 53 minutos e em 2015 o trajeto levou 1 hora para ser percorrido, tendo apenas 3 minutos de vantagem sobre quem saiu literalmente correndo do Guará 1 rumo ao Museu Nacional.

Embora tenham sido mais lentos, o ônibus e o metrô ganham do carro e do taxi nos critérios de sustentabilidade ambiental, custo individual e custo social, já que são mais baratos e transportam muito mais passageiros, ajudando também a evitar congestionamentos.

Avaliação Geral e por cada critério nos modais:

desafio1

Destaque para os modos ativos no ranking geral: bicicleta, corrida e caminhada

desafio2

Carona, a pé e corrida tem os custos mais baixos, junto com a bicicleta.  O cadeirante possui passe livre no transporte coletivo do DF, de acordo com a Lei Distrital nº 4.887/12. O taxi apresentou custo menor que o Uber e ainda mostrou vantagem por poder ter circulado no corredor de ônibus da EPTG

A moto fez o melhor tempo médio, porém, perde muitas posições nos demais indicadores;
Os corredores chegaram apenas 3 minutos após o ônibus:desafio3
Os meios de transporte individuais e motorizados apresentam o maior impacto ambiental: carro, taxi e moto:desafio4

Saída: 7:15:00

Dados em excel: resultado final

90’s Dejá vu – Crônica de um motorista indignado!

– O quê!? Faixa de Pedestre!? Pedestre!?

-Um absurdo isso! A avenida já é muito cheia, engarrafada, trânsito complicado!

-Vai causar muitos acidentes e batidas. Onde já se viu!? Um trânsito caótico desses e vamos ainda ter que ficar parando toda hora o carro!? Porque? São apenas meia dúzia de pessoas que precisam atravessar a rua…

– E não é que eu seja contra a faixa de pedestre, só acho que uma avenida engarrafada dessas não seja o lugar! Porque não coloca os pedestres pra andar lá na boulevard ou em vias com menos trânsito!??

– Ora, se quer caminhar, vai pro parque! Todo mundo sabe que caminhar é só lazer mesmo… ninguém vai para o trabalho andando e a rua não é lugar de fazer caminhada não.

– Mas é sério; só me preocupo com a segurança dos pedestres. É muito perigoso atravessar em avenidas. Como vou explicar para os meus filhos que a faixa não é segura!? Eu não vou deixar eles atravessarem a rua de jeito nenhum.

– Pois digo mesmo, essas faixas vão causar acidentes e vão morrer pedestres. Isso é um desrespeito com a vida. É desumano. Não consigo acreditar que as pessoas coloquem as outras pessoas em risco desse jeito!!!

– E tem mais, que absurdo o governo gastar com faixa de pedestre. Não tem nem calçada ora bolas. EU queiro as calçadas primeiro, depois vem a faixa de pedestre…

– E outra coisa, a faixa aqui vai contra as recomendações dos órgãos, recomenda-se faixa de pedestre sem sinalização semafórica em avenidas com no máximo de 7 metros, essa aqui tem 10vmetros… que absurdo!!! É o jeitinho Brasileiro querendo fazer tudo mal feito.

– Só quero ver se todos vão respeitar. Vai ter um monte de pedestre atravessando fora da faixa. Vai ter motorista que vai passar por cima e não vai nem parar também. Viu, mais uma vez, só me preocupo com a segurança dos pedestres.

– Acho também que a cidade tem coisa muito mais importante para fazer. Não tem calçadas, não tem posto de saúde, não tem escolas pública, não tem hospital… e querem vir colocar faixa de pedestre para atrapalhar mais ainda esse trânsito já caótico. Mobilidade é só carro ora bola, ninguém gosta de ir andando para o mercado. Vai trazer as compras como!? Na mão!? Como assim!? Vai ficar todo suado no trabalho, no banco, na padaria, um nojo. Como faz!? Outra coisa,já temos vários sinais com travessias em outros lugares. É só o pedestre ir andando pra lá e atravessar lá no sinal.

Bom, é isso! Um desrespeito com os moradores da região! Um absurdo a Administração não ouvir os moradores e a comunidade sobre o absurdo dessas faixas de pedestres!!! Queremos é calçadas primeiro, depois talvez pode ser a faixa de pedestre… de preferência lá na boulevard…

Um abraço a todos!!!

autor: Silvio Ribeiro, morador de Águas Claras

PS: Amigos, assim como vocês conseguiram aprender a respeitar e se conscientizaram sobre a importância das faixas de pedestres e hoje em dia até comemoram quando alguma é pintada e instalada, espero que aprendam a respeitar também os ciclistas, e quem sabe daqui a alguns anos também comemorem quando alguma ciclofaixa ou ciclovia for implementada!!!

PS2: Todos os argumentos do texto acima foram retirados de comentários nas redes sociais de pessoas contrárias a implementação das ciclofaixas previstas no projeto de mobilidade cicloviária da Região Administrativa de Águas Claras em Brasília – DF.

Vaga Viva acontece na plataforma superior da rodoviária nessa terça 22/9

No Dia Mundial Sem Carro, o Movimento Nossa Brasília, INESC e a Rodas da Paz promovem vaga viva na plataforma superior da Rodoviária. Vaga Viva é o nome dado a intervenção urbana que mostra as atividades que poderiam acontecer no espaço de 10m2 que é ocupado por um carro ocioso ao longo do dia.

O espaço é coberto com grama sintética e mobiliário de praça, para promover a humanização do espaço viário. Quando a vaga viva torna-se definitiva, passa a se chamar parklets, como vem sendo no Brasil feito pela Prefeitura de São Paulo.

Vaga Viva surgiu em São Francisco, nos Estados Unidos, em 2005, com o nome de “Park(ing)”, como uma iniciativa do estúdio de design Rebar, que trabalha com intervenções urbanas e ligadas à ecologia. A primeira vaga viva realizada no Brasil aconteceu em 2006 no Rio de Janeiro, e dias depois no mesmo mês aconteceu em São Paulo.

O objetivo da atividade é mostrar como o espaço da cidade é degragado quando excessivamente ocupado como estacionamento de automóveis, que são áreas de grande poluição do ar, sem respeito à acessibilidade das calçadas e sem preservação do paisagismo local, diminuindo a qualidade do deslocamento pedestre.

Em 2013, foram aplicadas 111.154 multas pelo DETRAN em função de estacionamento irregular. Enquanto diversas capitais estimulam o estacionamento rotativo (conhecido como zona azul), e criam ruas voltadas apenas para o deslocamento de pedestres, Brasília continua sem nenhuma dessas iniciativas, sendo conivente diariamente com o estacionamento em fila dupla e com o debate da “falta de vagas”, e não da falta de mobilidade. Em Londres, o recurso cobrado por pelo uso do carro nas áreas centrais (congestion charge) é revertido para a melhoria do transporte público.

Pesquisa recente da NTU mostra que 60% das vias públicas brasileiras são ocupadas pelos automóveis, que no entanto transportam apenas 20% das pessoas. Já os ônibus, que transportam 70% da população, ocupam apenas 25% do espaço viário.

A vaga viva se propõe a mostrar que na verdade sobra estacionamento e falta espaço urbano urbanizado que promova a qualidade de vida. Serão distribuídas “multas cidadãs”, para que o público que circula na área central possa realizar ações educativas com os motoristas que utilizam o local.

A iniciativa conta com o apoio da escola de yoga Vitha Baya e Mídia Ninja.

Programação

Todo o dia:
– cabide solidário para doação de roupas
– empréstimo de livros

Atividades com horário
8:00 – aula de yoga, escola Vitha Baya
10:00 – aula de matemática: calcule o impacto do aumento da tarifa de ônibus no seu orçamento
17:00 – oficina literária: como saber se um texto realmente é da Clarice Lispector
17:00 – aula de yoga, escola Vitha Baya
19:00 – saída de bonde de bicicleta para Cine Drive in, exibição do filme A Grande Volta

Localização:

vaga_conjunto

Mais bondes de bike ao trabalho!

Quem estiver interessado em ir de bike ao trabalho vai ter mais uma chance esse ano!

Para incentivar quem quer ir para o trabalho de bicicleta e quer um apoio para não ir sozinho na primeira vez, vários bondes estão de formando! Veja aqui os que já estão confirmados, os emails das pessoas estão disponíveis para quem quiser entrar em contato e combinar de ir junto!

Chega de preocupação com congestionamento e procura de vaga para estacionar 😉

Se quiser colocar seu bonde aqui, coloque seu dados nesse formulário curtinho.

Bondes saindo do Gama e Santa Maria:bondes_gama

Bondes saindo de Ceilândia, Taguatinga, Águas Claras, Vicente Pires e Guará:bondes_tailandia2
Bondes saindo do Plano Piloto e Cruzeiro:bondes_plano

 

Semana da Mobilidade 2015 – aproveite o Dia Mundial Sem Carro

A semana da mobilidade de 2015 está recheada de atividades, ocupando as cidades do DF e valorizando as pessoas e os espaços públicos. Confira a agenda e nos encontre nas ruas nos próximos dias!

19/9 sábado – 8:30 – 3ª Caminhada Jane Jacobs – Setor Comercial Norte
Inspiradas pela obra de Jane Jacobs, pessoas de diversas cidades do mundo organizam as “Jane Jacobs Walk”, uma proposta interativa de conhecimento de espaços urbanos. No Brasil isso acontece já em São Paulo, Fortaleza e Florianópolis (isso que eu saiba, mas deve ter mais). Aqui você encontra as caminhadas mapeadas pelo mundo. A 3º edição brasiliense vai passar pelo Setor Comercial Norte e Setor Hoteleiro Norte, e a concentração será às 8:30 na Galeria do Trabalhador.
Evento: https://www.facebook.com/events/440139269508245/
Organização: Mobilize

IMG-20150914-WA0005

20/9 domingo – 12h-18h – Rua do Lazer – Varjão – Avenida Principal

O Varjão vai ter pela primeira vez uma rua de lazer, livre de carros! a população vai poder andar de bike, skate, patins a vontade! Além disso, vai ter música, oficinas e muito mais!
Evento: https://www.facebook.com/events/421563178047326/
Organização: Rua do Jovem no Varjão, Coletivo das Ruas, Rodas da Paz, Administração Regional do Varjão, Nossa Brasília e Oca do Sol

21/9 segunda

7h – Desafio Intermodal – saída do McDonald’s do Guará, chegada no Museu Nacional

O Desafio Intermodal avalia quais os meios de locomoção mais eficientes no meio urbano num dia comum. A proposta não é apenas medir a velocidade e quem chega primeiro, é avaliar o custo ambiental, econômico e social de cada meio de transporte. Em 2012 participaram moto, carro, táxi, patins e ônibus, bicicleta dobrável, bicicleta speed, metrô, bicicleta e metrô, pedestre e ônibus. Evento no facebook: https://www.facebook.com/events/872153202850610/
Organização: Rodas da Paz

20:30 – Ciclo Mobilidade – Cine Jiló na Guela – Balaio Café 201 Norte
Filmes: “We are traffic”, “Sobre bicicletas” e “Perrengue – O desafio da mobilidade em São Paulo”
Organização: Cine Clube Jiló na Guela e Rodas da Paz (programação completa dos dias 21 e 28 aqui)

22/9 terça

7h – Bondes de Bike ao Trabalho – veja aqui a relação dos bondes e cole em algum!

No Dia Mundial Sem Carro, o Movimento Nossa Brasília e a Rodas da Paz promovem vaga viva no Setor Comercial Sul. (Antonio Cruz/Agência Brasil) - Assuntos: Rodas da Paz, Setor Comercial Sul, Bicicletário

(Antonio Cruz/Agência Brasil)

7h-19h – Vaga Viva – plataforma superior da Rodoviária
A Vaga Viva é uma intervenção Urbana que provoca a reflexão sobre o uso do espaço urbano pelo carro, mostrando que serviços podem ser oferecidos para a população no espaço que geralmente é utilizado para estacionar apenas 1 carro. Saiba como organizar uma vaga viva nesse guia.
Organização: Rodas da Paz e Movimento Nossa Brasília

20h – Cine Bike in – Cine Drive in

O filme A Grande Volta (trailer aqui) será exibido às 20h, com preço promocional (R$5) para quem for de bicicleta. Haverá um grupo saindo às 19h da vaga viva na plataforma Superior da Rodoviária.
Evento: https://www.facebook.com/events/876548325756483/876624189082230/

cine_bike_in

26/09 sábado

dia inteiro: lançamento da apostila “Caminhos da Cidade”, com lista de exercícios voltada para alunos do 9º ano do Ensino Fundamental, com questões de português, matemática, história, inglês, física e geografia que tratam da questão da mobilidade de forma interdisciplinar.

10h – 21hs – 21° edição da tradicional EcoFeira do Mercado Sul

Aproveitandoecofeira o momento da Semana da Mobilidade, será realizado um bate papo sobre a mobilidade urbana e o uso da bicicleta, sobretudo em Taguatinga e região, com a galera do BiciCentro Comunitário. A EcoFeira será também espaço de uma série de eventos culturais.

 

 

Começa no Gama o Projeto Ler Dá Pedal

montagem primeira oficina

Começaram ontem no Gama as oficinas do Projeto Ler Dá Pedal, um projeto que combina a bicicleta e o livro como objetos símbolos de independência, criatividade, desenvolvimento integral, saúde mental e física, e de integração com a cidade.

As oficinas no Gama estão sendo realizadas na Escola Classe 16, para alunos entre 07 e 13 anos. Ao todo serão quatro encontros ao longo de um mês onde as crianças são convidadas a ler histórias e a escrever suas aventuras sobre os diferentes modos de viver na cidade, buscando assim promover sua autonomia, por meio da literatura e do acesso à mobilidade por bicicleta. Ao final será organizado um Passeio Ciclístico com as crianças e a comunidade nas proximidades da escola.

O Projeto Ler Dá Pedal faz parte de uma parceira da Rodas da Paz com o Itaú.

O que a sua empresa tem feito para incentivar o uso da bicicleta como meio de transporte para o trabalho?

A Rodas da Paz quer conhecer, do ponto de vista de quem pedala, boas experiências corporativas de empresas, órgãos públicos ou instituições que incentivem o uso da bicicleta entre seus funcionários.

A experiência pode referir-se a infraestrutura física, como bicicletários ou vestiários, ou ainda sobre políticas institucionais de incentivo ao deslocamento por bicicleta, no âmbito de ações de promoção da qualidade de vida, por exemplo.

É simples e fácil relatar a sua experiência. Preencha o formulário online aqui.

As experiências de destaque farão parte de um catálogo, divulgado futuramente como material de referência para gestores interessados em desenvolver ou aprimorar políticas de incentivo ao uso da bicicleta como meio de transporte nas suas empresas.

Você tem interesse em incentivar sua empresa para iniciar medidas de incentivo ao uso da bicicleta? Veja algumas coisas que você pode fazer no manual De bicicleta para o trabalho – O que você precisa saber / O que sua empresa pode fazer, elaborado pela Transporte Ativo e MTB BH e também as dicas do Bike Anjo no site http://debikeaotrabalho.org/.

Bicicletário no Ministério da Justiça

                                                               Bicicletário no Ministério da Justiça