Arquivo mensais:Fevereiro 2015

Sugestões para melhorar a integração Metrô-Bicicleta

IMG_3266

Para investir em mobilidade sustentável, trilhos e bicicletas devem andar juntos! A Rodas da Paz realizou vistoria nas estações Terminal Ceilândia, Praça do Relógio, Águas Claras e Estação Central a convite do Metrô. Um dos objetivos era coletar insumos para os novos editais de construção de mais estações para o Metrô e de aquisição de novos trens. Os editais devem incorporar elementos que facilitem a integração com o uso da bicicleta.

O Metrô-DF já é o metrô mais inclusivo do país em relação à bicicleta, pois não possui restrição ao uso: em qualquer horário e em qualquer dia da semana, as pessoas podem embarcar com bicicleta no último vagão.

As sugestões feitas para as estações dizem respeito à instalação de paraciclos em locais visíveis aos funcionários do metrô, para oferecer maior segurança, e também à possibilidade de transporte da bicicleta na escada rolante e elevadores, sem que isso atrapalhe o fluxo dos demais usuários. A sinalização das estações também foi pontuada como algo a ser consolidado.

O Metrô tem muito a ganhar com a integração com a bicicleta, pois os usuários em potencial passam a estar num raio maior de alcance das estações. Enquanto que em 15 minutos um pedestre anda em média 1km, um ciclista se desloca por 4,5km, tornando a viagem de metrô mais interessante numa área maior.

IMG_3264

A recomendação para os novos trens é que eles contem com algum modelo de suporte para fixar a bicicleta, de modo que ela não fique solta no vagão.

IMG_3265

Para acessar o relatório na íntegra, clique aqui: integração bicicleta metrô

Uma das bases de nossa contribuição, além das vistorias, foi uma tese de doutorado na Engenharia de Transportes da UnB, da Mariana Paiva. Recomendamos a leitura, acesse: Tese Mariana de Paiva

Ciclovias em rodovias federais – consulta ANTT

A Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) vai receber até 9 de março contribuições sobre o projeto básico para novas outorgas de rodovias federais.

Sugira a exigência de ciclovias no projeto básico de concessão nesse email: [email protected]

A circulação por bicicletas em rodovias com pedágio, administradas por empresas concessionárias, costuma ser mais difícil que em rodovias administradas pelo poder público, como no caso da rota Márcia Prado em SP.

Logo, é importante os ciclistas se pronunciarem no momento de consulta pública da ANTT sobre esse processo de concessão de mais rodoviais, para se garantir o deslocamento por bicicleta nos trechos privatizados/concedidos.

É necessário mencionar a necessidade de garantir o fluxo de ciclistas desde o começo da concessão das rodovias, para que depois a empresa não restrinja o deslocamento de ciclistas afirmando que essa responsabilidade não foi exigida em contrato.

A circulação com segurança de ciclistas em rodovias é uma medida positiva tanto para a promoção do cicloturismo como para a redução das fatalidades envolvendo ciclistas nas rodovias federais.

ciclo_rodovia_V2

Foto: ciclovia na rodovia José Mario de Santana, Pernambuco

 

Na Rodas da Paz, 2015 chegou de bicicleta!

IMG_3139

Quase não dá para acreditar que 2014 acabou! O ano de 2015 chegou tão rápido, mas tão rápido que a gente diz que veio pedalando. Quem tem pressa vai de bike! Por isso, a Rodas da Paz segue firme no pedal: temos pressa para fazer ainda mais pela cidade que nos desafia todos os dias a ir mais e mais longe, na luta pela convivência pacífica entre pedestres, ciciclistas, motociclistas, motoristas. A ONG completou 11 anos de atuação. Na sua agenda de trabalho, está ainda mais forte o compromisso com o controle social das políticas públicas, a realização de ações sociais e comunitárias e a promoção cultural da bicicleta como meio de transporte, esporte e lazer. 11 anos é muito tempo, mas passou num piscar de olhos: quando a gente viu, já tinha crescido, estava andando sem rodinhas, com mais autonomia e total independência. Há um famoso provérbio com a seguinte mensagem: “se quiser ir rápido, vá sozinho; se quiser ir longe, vá acompanhado”. A Rodas da Paz acredita que é possível as duas coisas – ir rápido e longe, contando com o apoio dos parceiros. Foi assim mais uma vez nesse ano de atuação.

* Mais voluntários chegando – Realizamos nossa segunda formação de voluntários, trazendo mais uma turma bastante qualificada para atuar com a gente; aprimoramos a organização do XII passeio ciclístico anual (que passou a marca de 6 mil participantes, contando com distribuição antecipada das camisetas, apoio de novos parceiros e dezenas de grupos de pedal), mais uma vez marcando a história do DF; participamos ativamente do debate de propostas durante as eleições e demos uma nova cara à campanha Doe Bicicleta, com um projeto colaborativo para construção do galpão na Vila do Pedal.

* Papo reto com o Poder Público – Ao longo do ano, a Rodas da Paz atuou em diversos espaços políticos, qualificando o debate com o poder público, como no Seminário “Mobilidade Sustentável”, na Câmara Legislativa do DF, na Audiência Pública sobre a bicicleta e a questão tributária na Câmara dos Deputados e no Senado junto à Rede Bicicleta para Todos, pelo IPI Zero para Bicicletas, marcando presença e atuando diretamente com representantes em conselhos como o CONTRANDF e o CONPLAN, onde se discutem questões urgentes sobre o planejamento da cidade. A negligência do poder público levou a Rodas da Paz a apresentar uma denúncia de ilegalidades ao Ministério Público do DF no Dia Nacional do Ciclista, que foi marcado também por homenagens aos ciclistas vítimas da violência no trânsito. Sabemos que não basta ter centenas quilômetros de ciclovias, como anunciado pelo governo, se eles não forem acompanhados de planejamento e execução de qualidade. Por isso, fizemos também ao final de 2014, um balanço da política cicloviária do governo Agnelo (2011-2014), um documento que ajudará a orientar a política cicloviária da próxima gestão. Continuaremos em 2015 nosso trabalho de controle social, cobrando o governo pela execução de uma política com critérios e metas sérias e objetivos transparentes.

* Um mais um: todo mundo conta – Além disso, participamos de espaços de debate e articulação da sociedade civil, como o III Fórum Mundial da Bicicleta, o III Workshop da Transporte Ativo “A Promoção da Mobilidade por Bicicleta no Brasil”, e diversas ações com o GT Mobilidade do Movimento Nossa Brasília e outros movimentos.

* Comunicação cidadã – Em 2014, a Rodas da Paz continuou com sua atuação positiva, atendendo dezenas de chamados da mídia (rádio, jornais impressos e televisão) para ajudar a esclarecer e informar a população; contribuindo para a promoção do uso da bicicleta através do apoio a empresas e órgãos públicos para instalação e uso de paraciclos e bicicletários (Ministério das Cidades, Ministério das Comunicações, EBC, entre outros); e através do ensino gratuito sobre o uso da bicicleta em parceria com o projeto Bike Anjo DF e do Bike Anjo Nacional com ações como o dia De Bike ao Trabalho. Esse ano, os voluntários da Rodas da Paz realizaram o vídeo vencedor em Menção Honrosa do Prêmio VICRA – Festival Internacional de Videos de las Ciclovías Recreativas de las Américas, prêmio concedido a este curta sobre o Eixão do Lazer.

* O Eixão é de todos nós! – Acreditamos que a população tem direito de usufruir da cidade e, em 2014, a Rodas da Paz continuou sua luta em defesa do Eixão do Lazer e da implementação de ruas de lazer em outras cidades do DF. Com a manutenção do Eixão do Lazer na Asa Norte durante os domingos de jogos da copa, conquistamos importante vitória, ainda que parcial.

* Rock dá pedal e muito mais – Bicicleta também é cultura! Nada melhor do que participar do maior festival de rock independente do país de bicicleta. Esse foi o objetivo do Bike-valet no Porão do Rock, que estimulou centenas de pessoas a utilizarem bicicleta no dia do evento. E durante a semana da mobilidade, realizamos ainda o 6º Desafio intermodal e apoiamos a implementação, junto com o Movimento Nossa Brasília, de uma vaga viva no Dia mundial sem carro.

* Eu voto bicicleta, mesmo depois das eleições – A atuação cidadã da ONG se manteve firme na luta por uma maior participação da sociedade civil no processo de formulação e avaliação das políticas públicas tanto a nível local como nacional. No DF, a Rodas da Paz participou do debate eleitoral articulada com outros movimentos apresentando uma carta compromisso com a mobilidade sustentável com propostas para candidatos a todos os cargos a serem preenchidos nessas eleições. Nacionalmente, junto a União de Ciclistas do Brasil (UCB), ajudamos na elaboração e na mobilização de assinatura dos candidatos a Carta da União dos Ciclistas do Brasil, além da mobilização de organizações e especialistas contra o PL 26/2010 que ameaça a segurança do pedestre. Promovemos também o diálogo com a população sobre uma série de políticas de mobilidade por bicicleta no DF, como o encontro para avaliação e apresentação de sugestões para o sistema de compartilhamento de bicicletas do DF e a avaliação do novo aplicativo para Bicicleta (Ciclovida DF), feita a partir das críticas e comentários de usuários.

* Novos projetos – Esse ano ganhamos mais um parceiro na promoção da mobilidade sustentável! Após muito trabalho e reflexão, nosso projeto elaborado em 2014 foi aprovado e, a partir de 2015, a ONG vai contar com o patrocínio do Itaú para apoiar suas atividades de desenvolvimento institucional.

Sabemos que ainda há muito por fazer. Apenas em um período de cerca de 30 dias, entre junho e julho de 2014, ocorreram 4 mortes de ciclistas, a maior parte em vias de alta velocidade e nas regiões fora do plano, não priorizadas pelos projetos cicloviários. Uma das vítimas foi o agente penitenciário Francisco Vidal, que teve uma bicicleta branca instala em sua homenagem na EPTG.

Fizemos muito e queremos fazer ainda mais pelo DF em 2015, quando os próximos governantes e representantes escolhidos pela população estão assumindo seus postos. Contamos com seu apoio nesse caminho.

Para se associar a Rodas da Paz, clique aqui.

IMG_3144