Arquivo mensais:agosto 2014

Rodas da Paz protocola denúncia ao Ministério Público do DF

Maurício Rodas MP

A Rodas da Paz vem hoje, no Dia Nacional do Ciclista, trazer denúncia de ilegalidades cometidas pelo governo do Distrito Federal, cobrar o cumprimento do que determina a lei e buscar a responsabilização do ente público pelas vítimas do trânsito.

Em um espaço de 30 dias, três fatalidades com ciclistas aconteceram nas rodovias distritais do Distrito Federal, vítimas da imprudência de motoristas e da omissão do poder público.

O art. 1º, § 3º do Código de Trânsito Brasileiro é bem claro ao afirmar:
Os órgãos e entidades (…) do Sistema Nacional de Trânsito respondem, no âmbito das respectivas competências, objetivamente, por danos causados aos cidadãos em virtude de ação, omissão ou erro na execução e manutenção de programas, projetos e serviços que garantam o exercício do direito do trânsito seguro.”

Nossa alegação de que este governo tem falhado e se omitido no exercício do direito de um trânsito seguro, especificamente para as bicicletas, se baseia em três pontos principais.

Primeiro, apesar da “política de mobilidade cicloviária no Distrito Federal”, especificada pela Lei Distrital nº 3.885, de 2006, ter por objetivo,
“estimular a conexão das cidades, por meio de rotas de longa distância seguras para o deslocamento entre as cidades, (…) e exclusivas para não motorizados.”

E a lei Distrital 3.639, de 2005, ainda mais antiga, prever:
“Deverão ser previstas ciclovias em todos os Projetos Rodoviários, bem como nas estradas em fase de construção.”
Nenhuma rodovia distrital ou federal, sob responsabilidade do DF, dispõe de infraestrutura cicloviária, e os projetos existentes, com qualidade sofrível, se arrastam por anos sem sair do papel.

Segundo, a prioridade na condução da política pública de mobilidade por bicicleta está equivocada, pois 100% dos recursos públicos têm sido direcionados para locais com os mesmos números de fatalidades que as rodovias distritais, mas onde proporcionalmente o risco de fatalidade é muito menor em relação ao total de acidentes. Além disso, a medida de qualidade da execução da política considerada pelo GDF restringe-se a “quilômetros de ciclovia”. Ciclovias, por si só, não salvam vidas e as do Distrito Federal, que se autointitula “referência mundial no assunto”, não dão fluidez ao ciclista. O projeto e a execução das obras são de péssima qualidade e não servem ao propósito de deslocamento entre os pontos.

Em terceiro, o Governo do Distrito Federal omite-se na educação e fiscalização de trânsito, com vistas a assegurar a segurança dos ciclistas, sendo conivente com o trânsito de veículos automotores em alta velocidade, com a direção perigosa, com a embriaguez ao volante e com o desrespeito aos demais atores do trânsito, como ciclistas e pedestres. Apenas em 2013, mais de R$17 milhões foram autorizados a serem gastos com campanha educativa pelo DETRAN, mas menos de $2 milhões foram efetivamente empenhados. Contraditoriamente, o GDF propaga que a modalidade de deslocamento por bicicleta no Distrito Federal já é uma realidade, graças à construção de “malha’ de 400 quilômetros de ciclovias”.

A Rodas da Paz tem atuado junto aos órgãos de governo na tentativa de corrigir os problemas apontados e colaborar com a experiência de 10 anos de atividade em Brasília. No entanto, não vem tendo suas reivindicações atendidas, de maneira que vem hoje, aqui, trazer os fatos à população e ao Ministério Público do Distrito Federal. Espera-se que a instituição, de posse da denúncia, cumpra seu papel, por um trânsito mais gentil, prudente e seguro para os ciclistas.

Vá de bike para o Porão do Rock!

Plaquinha - Rock dá pedal (Frente)As ONGs Rodas da Paz e Porão do Rock vão estimular as pessoas a irem de bicicleta aproveitar o maior festival de rock independente do país, que acontece nos dias 30 e 31 de agosto, no estacionamento do Mané Garrincha.

As 50 primeiras pessoas que forem de bicicleta em cada um dos dois dias do festival ganharão R$10 de desconto no ingresso, que estará sendo vendido na hora a R$25 e sairá a R$15 para os ciclistas.

Além de ter a chance de pagar mais barato, as pessoas que forem de bicicleta contarão com o serviço de bike valet, podendo entrar no festival com sua magrela sem a preocupação de achar vaga no estacionamento.

O serviço de bike valet contará com capacidade para 130 bicicletas e funcionará das 17h às 2h sábado e domingo. A ONG Rodas da Paz, com seus voluntários, ficará de olho e cuidará das magrelas com muito carinho durante todo o festival – além de estar disponível para troca de ideias ao som de boa música.

Nas tendas do bike valet haverá ainda distribuição de material educativo e adesivos. Funcionará também na tenda a Lojinha da Rodas da Paz, com venda de camisetas da ONG, cuja valor de venda é revertido em ações sociais que promovem o uso da bicicleta. O pagamento será aceito em dinheiro. Também será montada a Roda do Livro, um espaço de troca e doação de obras literárias. A Lojinha e a Roda do Livro funcionarão nos dois dias do festival, das 17h às 21h.

Veja como foi o bike valet no Porão do Rock 2013

3 motivos para ir de bicicleta

1 – Na vaga de 1 carro, cabem 10 bicicletas.
2 – Bicicleta não polui. Veja quanto gás cada veículo motorizado emite em funcionamento: poluicao 3 – Bicicletas são o veículo mais seguro de transporte individual segundo os números existentes.

Brasil:
Carros 24% dos deslocamentos e 27% dos “acidentes”
Motos 12,6% dos deslocamentos e 22% dos “acidentes”
Bicicletas são 7% dos deslocamentos e 4% dos “acidentes”
Fonte – cruzamento de dados das seguintes pesquisas: Pesquisa IPEA –Mobilidade Urbana 2011 e Mapeamento das Mortes por Acidentes de Trânsito no Brasil – Confederação Nacional de Municípios 2009

noname

fonte: Transporte Ativo

 

No dia do ciclista, a Rodas da Paz pede mais gentileza no convívio entre motoristas e ciclistas

image

O dia 19 de agosto marca o Dia Nacional do Ciclista, data criada em homenagem ao brasiliense Pedro Davison, vítima da violência no trânsito em 2006. A tragédia aconteceu no final do Eixão Sul, onde uma bicicleta branca (ghost bike), vem sendo mantida pela comunidade em sua memória.

Para marcar a data, todos os anos a Rodas da Paz mobiliza o DF e participa de diversas ações. Neste ano, três iniciativas serão realizadas pela ONG:

* Árvore dos desejos: A bicicleta em homenagem ao ciclista Pedro Davison inspira os voluntários da Rodas da Paz a desejar paz para o trânsito no DF. Mensagens positivas em fitas coloridas são penduradas nas árvores ao redor da ghost bike, pedindo uma cidade melhor para todos.

* Ciclovia na EPTG: Será protocolada pela Rodas da Paz denúncia contra o Governo do Distrito Federal pelo não cumprimento dos artigos 1º, 38 parágrafo único, 44 e 58 do Código de Trânsito Brasileiro, da lei distrital 3.639/2005, que trata da necessidade de ciclovias em rodovias, e da lei distrital 3.885/2006, que dispõe sobre a Política de Mobilidade Urbana por Bicicletas.

No final do dia 19, a partir das 19h, horário do rush, voluntários e colaboradores da Rodas da Paz vão expôr três faixas para lembrar os motoristas que bicicleta também é veículo, tem direito de andar na rua, e que uma cidade mais gentil passa pelo gesto de cada um no trânsito.

O ciclista Francisco Vidal também foi vítima da violência no trânsito da EPTG no dia 22 de junho. A ciclovia na EPTG foi prometida pelo GDF em 2007, no contexto do projeto Linha Verde, e até hoje não saiu do papel. Outra perda que deve ser lembrada, é a de Ricardo José da Cruz (Doidão Tatto), voluntário da Rodas da Paz, morto enquanto pedalava no Park Way em 18 de julho, numa via de acesso ao aeroporto.

* Campanha “Viva + 30”: A Rodas da Paz lança nas mídias sociais a campanha “Viva + 30″, chamando um pacto com todas as cidades do DF pela redução imediata das vítimas da violência no trânsito. A média anual nos últimos anos é de cerca de 30 ciclistas vítimas fatais. Queremos mais e mais ciclistas pela cidade, mais e mais gentileza no convívio entre os diferentes meios de transporte. Por isso, o nome da campanha adota a perspectiva positiva: vamos assegurar que nas próximas estatísticas os números mostrem vidas protegidas da violência no trânsito.”Viva+30” significa que mais trinta ciclistas vão viver e não morrer no trânsito. Redução da velocidade, respeito ao ciclista, seguir o Código de Trânsito Brasileiro  são algumas das atitudes que podem tornar Brasília a capital da mobilidade e da paz no trânsito. Menos vítimas, mais vida é o que a campanha pede. O primeiro flyer será publicado no dia do ciclista.

No DF, mais de 200 mil domicílios contam com ao menos uma bicicleta e há um carro a cada 2 habitantes, gerando uma frota de .quase 1,5 milhões de veículos motorizados. Há mais carros sendo emplacados que bebês nascendo no DF. Mais importante que a quilometragem das ciclovias, é necessário assegurar a ligação entre as cidades do DF, dar preferência à bicicleta nos cruzamentos, a integração entre os diferentes meios de transporte e valorizar o pedestre. Bicicletas são excelentes opções de esporte e lazer e são um importante meio de deslocamento do trabalhador brasileiro.

Para a Rodas da Paz, o Dia do Ciclista pede reflexão e ação de todos nós para continuar transformando nossa realidade. Quase a totalidade dos casos de violência no trânsito com vítimas fatais podem ser evitados e não devem ser considerados acidente. Os voluntários da Rodas da Paz continuarão pedalando por essa causa e todo apoio é bem vindo.

No XII Passeio Anual da Rodas da Paz mais de 6 mil cidadãos pedalaram pela mudança no paradigma das políticas de mobilidade, por mais cidade e menos velocidade. Todos os participantes realizaram um minuto de buzinaço, pela memória dos ciclistas cujas vidas foram tiradas pela imprudência de alguns motoristas e pela omissão do poder público.

 

 

 

A campanha eleitoral está na rua. Que diferença isso faz para a Rodas da Paz?

A atuação da Rodas da Paz nessas eleições se dará de maneira propositiva, dialogando com a consciência e as expectativas da população, tratando todos os candidatos igualmente, sem privilegiar nenhuma coligação. A nossa aliança é e sempre será com a cidade, independente dos candidatos.

Em conjunto com o Movimento Nossa Brasília, organizamos no dia 19 de julho uma oficina aberta a cidadãos e movimentos, para conversar sobre os problemas atuais e apontar as propostas prioritárias que deverão ser assumidas como compromissos pelos candidatos que pretendam se posicionar verdadeiramente a favor da mobilidade sustentável.

Já é sabido, como apontado pelo próprio Plano Diretor de Transporte Urbano do DF de 2011, que se continuarmos reféns do investimento no modelo rodoviarista de cidade, o DF irá parar de vez em 2020. Esse modelo, baseado na construção de túneis, viadutos e ampliações viárias, resulta no uso excessivo de automóvel, estimulado ainda mais pelo transporte público precário do DF.

Apresentamos aqui a Carta Compromisso que foi escrita com a participação de diversos movimentos, entidades e cidadãos, como uma contribuição para qualificar o debate eleitoral. Se há um momento propício ao debate aberto, deveria ser a eleição.

No texto há 3 propostas prioritárias para os candidatos ao Palácio do Buriti, e há também propostas endereçadas aos candidatos ao Legislativo Federal (Senado e Câmara dos Deputados) e para os candidatos a Deputados Distritais. Se você for candidato ou estiver trabalhando na campanha de alguém que queira assinar a carta, entre em contato no e-mail [email protected]

Para a atividade de assinatura da Carta, nossa sugestão é fazer uma cerimônia para cada uma das coligações, reunindo todos seus respectivos candidatos que assinarão o compromisso. Essa atividade de assinatura foi pensada como uma atividade de rua, onde o candidato majoritário da coligação, acompanhado dos proporcionais, realizará um percurso de transporte coletivo ou de bicicleta, acordado com a coordenação de campanha.

Para mudar o cenário da mobilidade no DF é preciso um esforço conjunto de todos esses atores e também da sociedade. Nossa parte está sendo feita, esperamos que os futuros governantes façam a sua também.

Acesse aqui a Carta de Compromisso

IMG_8361

Crédito: Wesley Moura

Crédito: Wesley Moura

Quando é o próximo Passeio?

Estamos muito felizes que o XII Passeio Anual da Rodas da Paz está motivando muitas pessoas a querer continuar pedalando!

Esse é um de nossos objetivos enquanto ONG: promover o uso da bicicleta!
Fazemos isso através de várias outras ações, como o Doe Bicicleta, tenda Rodas nos Eixos, parcerias com o Porão do Rock, Bike Anjo e ações nas escolas.

Outro objetivo nosso é ter incidência nas políticas públicas de mobilidade, que fazemos através do diálogo com o poder público, seja em reuniões que nós agendamos ou somos convidados, seja através de conselhos. Também é necessário fazer pressão pública sobre o governo em algumas situações, e acompanhar a implementação das leis que já existem mas não são cumpridas!

São essas as ações que fazemos ao longo do ano, além do Passeio Anual, que leva 3 meses sendo preparado.

Se você quer continuar pedalando, junte-se a um dos vários grupos de pedal do DF! Aqui estão boas sugestões para você continuar pedalando pelo DF!

E se quiser começar a ir pro trabalho de bicicleta, mas ainda não se sente seguro para pedalar sozinho no trânsito, peça já a ajuda de um Bike Anjo! São ciclistas voluntários e experientes que podem te ajudar a escolher o melhor caminho e fazer com você o trajeto algumas vezes até você se sentir a vontade para ir só!

Não tem desculpa pra ficar parado em casa ou dentro do carro no congestionamento!

____#____
Grupo Caça Pedal, tem pedal pras crianças nesse grupo!caçapedal
Toda quarta-feira PEDAL MIRIM (pedal para toda família com foco nas crianças, média 15km)
Toda sexta-feira PEDAL BALADA (pedal para iniciantes adultos, média de 32km)
Concentração às 19:30 com saídas aà 20:00hs

QR 320 CONJUNTO 2 LOTE 01 – SAMAMBAIA SUL
Em frente a loja CICLISTA FÊNIX
____#____

Rebas do Cerrado, o maior grupo de trilhas do país! rebas

No site deles você encontra tudo organizado, as datas de cada trilha, grau de dificuldade de cada uma, os contatos e várias notícias!

____#____
PedalaGama, tem trilhas e passeios! pedalagama
Ponto de Encontro: estacionamento da Pista de Cooper do Gama
Os circuitos tradicionais são: Pedal do Iniciante – Trilha Igrejinha – Pedal Ermida Dom Bosco – Pedal Noturno – CORUJÃO – Sábado Rosa – Eixão do Lazer

Para saber das trilhas do PedalaGama, curta a página no facebook!

____#____
No Guará o que não falta é opção!

CURINGA DAS BICICLETAS – QE 26
Toda segunda – concentração às 18h, saída às 20h

CICLOVIA BIKES – QE 34
Toda terça – concentração às 19h, saída às 20h

CHICOS BIKE – QI 01
Toda quarta – concentração às 19:30, saída às 20h

CAPITÃO BIKES -QE 04
Toda quinta – concentração às 19h, saída às 20hguará

____#____ dbike

DBIKE – Planaltina

Todas as quartas e sextas
Saídas às 19:30, Quadra 4, Conjunto J, lote 38 SRL

____#____
BONDIORNO Pedal 17 – Sobradinho
Todos os dias às 19:30 do C da 17 em Sobradinho I
Aos domingos a partir de 07:40 da manhã

____#____
Tartarugas no Pedal – Valparaíso de Goiás  tartarugas

Tem trilhas e passeios!

O ponto de encontro dos passeios noturnos costuma seu o motel Ame Mais e o horário de encontro é às 19:30!

____#____

Esses são alguns dos grupos de pedal que foram parceiros na realização do XII Passeio Anual da Rodas da Paz. Sentiu falta de algum grupo aqui?

Mande as informações sobre horários, percurso e contato pra [email protected] que atualizamos no site!

XII Passeio Anual da Rodas da Paz – Sucesso de público e audiência

por Beth Veloso, fundadora e ex-presidente da Rodas da Paz

tenda_roda

 

Eu não sei se foi a tecnologia. Sorteio Digital???!!! Nunca tinha nem ouvido falar.
Ou a organização minuciosa. Entrega antecipada de camisetas???!!!! Genial!
Ou o tema, ainda verde como a nossa camiseta. Gentileza!!! Nem quase todo mundo sabe o significado dessa palavra.

Mas o passeio da Rodas da Paz rodou livre como um penguin molhado; macio como um filet mignon; forte como um peregrino e energético como um açai! Tudo parecia diferente na voz assertiva da Renata no topo do caminhão: “é o passeio mais bonito de todos!” O horário de saída! A lojinha com suas florzinhas, incluindo as charmosas vendedoras voluntárias. A voz nem tão grossa de Lenine na apurada trilha sonora: “para que chegar primeiro?”. O melhor é chegar inteiro!”. Tudo perfeito!

Alongando pernas e esticando gentilezas, rolou troca de livros e de apertos de mão de velhos amigos de antigos carnavais da Rodas da Paz. Afinal, o passeio já está no calendário da cidade. Tinha oficina para bicicleta e água para os sedentos por mais solidariedade no trânsito, nas ruas, entre as pessoas, não importa… E, do alto do caminhão de som, enxergávamos na eficiente Polícia Militar mais do que os ossos do ofício: “aquele ali é ciclista também”, emendava nossa secretária e locutora oficial do evento.

Enfim, mesmo quem não ensaiou junto, pedalou até o fim no ritmo do mesmo enredo. “As bicicletas finalmente ocuparam o seu lugar na rua”, dizia a secretária executiva da Rodas da Paz, não se contendo de emoção ao ver o Eixo Monumental fechado somente para elas, as magrelas. Nenhum carro tentando se esgueirar entre as intrépidas…

Enquanto a secretária celebrava, o inquieto presidente da Rodas da Paz se coçava até não mais resistir e cair no pedal, ora na tande dupla levando na carona solidária o portador de deficiência, ora sozinho em uma bicicleta emprestada de um conformado batedor, que o presidente da ONG, no alto de sua autoridade legal, literalmente, botou para correr atrás do caminhão de som…

Eu, de valente, diferente, corri onde todos pedalavam, comendo a poeira de um cortejo interminável que girava macio na ensolarada e brilhante manhã de domingo. Quando o  gás acabou, pedi um abraço gentil do ciclista que me rebocou na sua bike até o carro de som. E mais tarde, já ao fim do passeio, me saudou em sua simplicidade generosa: “e aí?”

Íamos, eu e o ciclista propulsor de corredoras cansadas e fora de forma, tentando quebrar o bloqueio do mar de bicicletas que nos separava do carro abre-alas. Sem gás nas pernas, mas a plenos pulmões, eu gritava: “Iohhhh….iohhhhh, abrindo caminho simulando o som de uma ambulância. Efeitos pífios que chegaram a termo alguns minutos e muitas pedaladas depois.

Histórias dentro da história que devem ser contadas agora na página da Rodas da Paz na Internet. Por que não pedir aos gentis participantes que escrevam onde está o seu gesto gentil de gentileza, e a gente vai sentir que de empurrãozinho na subida até a carona por inteiro, o passeio da Rodas da Paz foi grandiosamente pequeno no seu inédito percurso infantil; foi corajosamente organizado na suas artes tecnológicas de postagens instantâneas no Facebook, foi experimentalmente um laboratório de trocas culturais e gentis por meio do projeto Roda do Livro. Como diz Betânia, cada ser carrega em si o dom de ser feliz, porque capaz de fazer o melhor passeio da Rodas da Paz de todos os tempos, essa turminha já é! Valeu Jonas, Renata, Beth, Talita e mais um monte de gentes que fazem da gentileza um grande acontecimento nesta cidade!

Com um sorriso grande como um guarda-chuva, a doce voluntária Sabrina se posicionava em frente ao cofrinho do Rodas – uma bicicleta decorada com tecidos de motivos infantis – e seduzia:

–       Bicicleta gera o quê? – perguntava, respondendo ela mesma: gentileza!!! E gentileza? Generosidade!!!! (Bingo)

E assim a cestinha da bicicleta materializava o que a gente sentia no ar e nos olhares: como é especial estar aqui!

Bingo!

Beth e o gentil batedor que a levou de volta pro carro de som!

Beth e o gentil batedor que a levou de volta pro carro de som!

Entrega antecipada das camisetas para os inscritos no XII Passeio Rodas da Paz

O Passeio Anual da Rodas da Paz é um momento de celebração da cultura da bicicleta, de homenagem aos ciclistas que perderam suas vidas para a violência no trânsito e de congregação dos grupos de pedal do DF.

Fazemos o evento em parceria com diversos patrocinadores e apoiadores para ele se manter gratuito e aberto a todos que queiram participar. Todo o trabalho envolvido na produção do Passeio até hoje é feito por pessoas voluntárias que doam seu tempo para a causa da mobilidade sustentável.

Pensando em oferecer mais opções de horários e maior comodidade para os participantes do Passeio, que ano passado enfrentaram uma longa fila para retirar sua camiseta, este ano vamos antecipar a entrega para os inscritos. Conseguimos apoio para a produção de 2mil camisetas e recebemos mais de 3mil inscritos pelo nosso site. Somente participantes inscritos poderão retirar a camiseta, que estará disponível conforme durar o estoque.

Vamos oferecer dois dias além do momento da concentração no domingo.
Veja abaixo como evitar fila e já chegar pronto para aproveitar todas as atrações do Passeio!

Entrega das camisetas para os inscritos do XII Passeio Rodas da Paz
Sexta das 16h às 20h
Sábado das 10h às 20h
Domingo das 8h às 9h

No sábado das 14h às 18h você pode levar sua bicicleta que te ajudamos a checar se o freio está funcionando, se a corrente precisa de óleo e se o seu banco está na altura certa!

Basta levar o documento de identidade que foi informado na inscrição.
Para facilitar ainda mais, uma única pessoa pode levar os documentos de mais de um inscrito e retirar a camisetas de todos de uma vez.

Sede da Rodas da Paz:
EQS 102/103 – atrás do Comércio São Francisco – Edifício Bandeirantes
Fica em frente à quadra de esportes entre as quadras 102 e 103 Sul.

Haverá paraciclos para quem vem de bike. Se vier de carro, é possível utilizar o estacionamento do centro comercial ou dentro da quadra 102 sul, bloco E.

mapa de Letícia Bortolon

mapa de Letícia Bortolon

Inscrições para o XII Passeio Rodas da Paz – encerradas

As inscrições foram encerradas nessa quinta feira dia 7 de agosto, mas mesmo sem se inscrever você é muito bem vindo no Passeio e nós adoraremos pedalar com você!

No dia 10 de agosto de 2014, a ONG Rodas da Paz realizará mais uma edição do seu tradicional passeio ciclístico. Além do percurso tradicional até a Ponte JK, esse ano faremos um circuito também menor na Esplanada, especialmente para as famílias que irão pedalar com crianças pequenas, será o Passeio Rodinhas da Paz! A concentração será às 8h!

Todo ano, o evento reúne milhares de ciclistas. Trata-se de um momento importante de levantar a causa da paz no trânsito e reforçar o compromisso do governo com melhorias nas condições de mobilidade urbana sustentável.

O passeio transforma-se numa verdadeira festa, que conta com a presença de ciclistas de todas as idades e, também, de patinadores, skatistas e corredores. Além disso, é gratuito, aberto a toda população do Distrito Federal, e independe da inscrição prévia. Apenas os inscritos participam dos sorteios dos brindes e bicicletas.

==============================================================================

SAIBA MAIS SOBRE O TEMA DO PASSEIO 2014

BICICLETA GERA GENTILEZA

O mundo tem um monte de índices. Se inventassem um índice de gentileza, a cidade que tivesse mais bicicletas seria uma cidade mais gentil. Quanto mais bicicletas nas ruas, melhor a vida para todos.

Mesmo quem não pedala se beneficia com a bicicleta no trânsito. Com mais ciclistas e pedestres nas ruas, não apenas os motoristas ficam mais atentos, mas também os governos tendem a investir em mais e melhor infraestrutura. Junto com esse investimento, vêm as campanhas educativas. A bicicleta no trânsito é uma aula diária de convivência e respeito às diferenças.

Em um acidente a 64km/h, 85% dos pedestres atingidos morrem e nenhum sai ileso. A 32km/h, 5% morrem e 30% sobrevivem ilesos. Velocidade mais baixa significa também mais incentivo aos meios sustentáveis de deslocamento, como caminhar, pedalar ou utilizar o transporte público, possibilitando conforto e fluidez nos trajetos.

Este é um padrão observado em várias partes do mundo: quanto mais gente utiliza a bicicleta como meio de transporte, menores são as taxas de fatalidades. Aí reside o potencial da bicicleta como instrumento pela pacificação do trânsito.

Nos EUA, a avaliação estatística dos dados de trânsito feita pela organização Alliance for Biking & Walking em parceria com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, não deixa dúvidas: as cidades com a maior participação de ciclistas têm as menores taxas de fatalidades com bicicletas. Na Holanda, após a bicicleta se tornar parte integral da política de transportes, as mortes de crianças caíram de mais de 400, em 1971, para 14 em 2010. Na cidade de Bogotá, na Colômbia, de 1995 a 2003, o governo aplicou um conjunto de medidas voltadas para pedestres e ciclistas que reduziu em 3 vezes a mortalidade no trânsito.

Em Brasília, com o programa Paz no Trânsito e a implementação da faixa de pedestre (1995 a 1998), em três anos as mortes envolvendo pedestres caíram em 50%. Sem campanhas educativas de massa, as mortes de ciclistas demoraram o dobro do tempo para cair na mesma proporção. No Brasil, a violência no trânsito ainda é responsável pela morte de 65 mil pessoas a cada ano, o que equivale a 4 anos da Guerra do Iraque.

A bicicleta é um veículo econômico, ágil e prático. Ajuda a evitar engarrafamentos, pois, mesmo quando não pode ser utilizada em longas distâncias, pode ser combinada com outros meios de deslocamento e reduzir os índices de poluição e de stress.

Quem pedala é mais saudável e vive a cidade de maneira mais leve. Fica mais fácil fazer amigos, descobrir novos lugares, desfrutar caminhos e tudo isso, junto, vai deixando a cidade mais bacana.

PERCURSO ADULTO

Percurso adulto

 

PERCURSO INFANTIL

passeio_percurso_infantil

Grupos de pedal do DF formarão bondes para o passeio da Rodas da Paz – descubra como se juntar a um deles

Veja abaixo, a lista dos grupos, cidades e pontos de saída. Caso seu grupo não esteja aqui ou saiba de outros grupos e queira animar mais pessoas a virem juntos, entre em contato conosco pelo e-mail: [email protected]

Guará
Diversos grupos do Guará (veja aqui)
Local de saída: Mc Donalds do Guará I (QE07)
Destino: Museu da República
Concentração: 7h30
Saída: 8hs

Gama
PedalaGama e diversos grupos
Saída as 06h30 da pista de cooper do Gama
Encontro com os Tartarugas na CAESB, Próximo ao Catetinho rumo ao Museu Nacional
pedalagama.com
https://www.facebook.com/pedala.gama?fref=ts

Asa Norte
Pedal Asa Norte (PAN)
Local de encontro: Estacionamento do Colégio Militar
Horário de saída: 7h30 e retorno quando acabar o evento.
Responsável: Artur Souza Moreira
https://www.facebook.com/groups/pedalasanorte/?fref=ts

São Sebastião
Pedal dos Doidos
Saída do Posto Ipiranga do Morro Azul às 6h30
https://www.facebook.com/groups/pedaldosdoidos/?fref=ts
http://pedaldosdoidos.blogspot.com.br/

Valparaíso de Goiás
Ponto de Encontro: Posto Shell localizado na BR 040, ao lado do Motel Ame Mais.
Horário: 06h (Partiu Pontual 06:30)
Os Tartarugas se encontrarão com a turma do Pedala Gama na CAESB, próximo ao Catetinho rumo ao Museu Nacional.
tartarugasnopedal.blogspot.com
Evento: https://www.facebook.com/events/277836139080235/?notif_t=plan_user_invited

Planaltina – DF / Sobradinho
Planaltina – DF: Saída às 6:00hs, da Quadra 04 Conjunto J Lote 39, em frente ao posto policial.
Sobradinho: saída às 7:00hs, da Quadra 09, CL 05.
Os dois grupos vão se encontrar na Br020 e seguir juntos até o local do passeio.
https://www.facebook.com/leodbike2?fref=ts